Líderes femininas discursam na Assembleia Geral da ONU

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

25 de setembro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

A Assembleia Geral das Nações Unidas continua sua reunião anual no sábado com palestrantes da Índia, Rússia, Etiópia e Haiti, entre outros.

Na sexta-feira, a primeira-ministra da pequena nação insular de Barbados fez um discurso emocionante à assembleia, perguntando quem se levantaria pelas pessoas em todo o mundo e traria as medidas extremamente necessárias. A primeira-ministra de Barbados, Mia Amor Mottley citou o famoso cantor jamaicano Bob Marley, "Quem vai se levantar e defender os direitos de nosso povo?".

Lendo um discurso em seu celular, a primeira-ministra passou por uma longa lista de desafios que incluíam as desigualdades na distribuição da vacina COVID-19, desemprego, problemas de transporte e mudança climática. Ela disse que não está além da comunidade internacional resolvê-los; acontece que os líderes se cansam de enfrentá-los ano após ano e não ver nada mudar.

“Se conseguirmos encontrar a vontade de enviar pessoas à lua e resolver a calvície masculina, como já disse várias vezes, podemos resolver problemas simples, como permitir que nosso povo coma por um preço acessível e garantir que tenhamos transporte”, disse ela.

As líderes femininas têm sido poucas esta semana, representando menos de um décimo dos palestrantes até agora. Oito deveriam falar na sexta-feira. Suas escassas fileiras destacam os obstáculos que as mulheres enfrentam tanto nos países em desenvolvimento quanto nos desenvolvidos para alcançar os mais altos escalões do governo.

A primeira-ministra de Bangladesh, Sheikh Hasina, disse que "as Nações Unidas são nossa melhor esperança" na busca por uma recuperação colaborativa e inclusiva da pandemia.

Paralelamente à sessão anual, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, anunciou US $ 400 bilhões em novos compromissos para aumentar o acesso à energia limpa e renovável para milhões de pessoas que vivem em "pobreza energética" em todo o mundo.

“Investir em energia limpa e acessível para todos melhorará o bem-estar de bilhões de pessoas”, disse Guterres.

"E é a solução mais importante para evitar uma catástrofe climática."

A reunião anual de líderes continua até segunda-feira.

Notícias relacionadas

Fonte


Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit