Líder do Partido Democrata em Arkansas é assassinado pelo atirador

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

14 de agosto de 2008

Little Rock, Arkansas, Estados Unidos — Foi morto a tiros ontem, Bill Gwatney, presidente do Partido Democrático do Estado de Arkansas. A morte ocorreu às 3:59pm CDT (UTC-5), após ter sido baleado cedo na manhã.

"Ele [o atirador] entrou no escritório e foi parar na preseça e começou a disparar", disse o tenente da polícia Terry Hastings, falando a repórteres fora da sede do partido.

O suspeito é Tim Johnson, um homem branco, descrito pela secretária de Gwatney vestindo de "calça khaki, camisa branca, cinza-prata cabelo, mais de 40 anos." Ela relata que caminhou em instalações sede do partido em Little Rock, Arkansas, conversou com o presidente da secretária, ela recusou oferta de vinhetas pára-choques e em seguida, andou dizendo que ela tinha passado para ver o presidente.

Após o tiroteio, Johnson pegou a camionete Chevrolet e começou ser perseguido pela polícia por 25 milhas (40 km), o que levou a troca de tiros. O resultado final foi a filmagem do suspeito, que foi levado a um hospital e posteriormente, morreu de ferimentos.

De acordo com o jornal The New York Times, Bill Clinton e Hillary Clinton divulgaram uma declaração conjunta, que dizia: "Estamos atordoados e abalada pelo tiroteio de hoje, no Partido Democrático de Arkansas onde o nosso bom amigo e colega democrata Bill Gwatney foi ferido criticamente não é Bill [Clinton]... Só um forte presidente do Partido Democrata de Arkansas, mas ele é também um querido amigo e confidente".

Gwatney era também um ex-proprietário de loja de automóveis e senador.

Não se sabe o motivo que levou Tim Johnson planejar e assassinar Bill Gwatney.


Fontes