Saltar para o conteúdo

Líder da oposição chadiana morto em tiroteio

Fonte: Wikinotícias

1 de março de 2024

Email Facebook X WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O líder da oposição chadiana Yaya Dillo foi morto num tiroteio com as forças de segurança na capital, N'Djamena, confirmou quinta-feira o procurador estadual Oumar Mahamat Kedelaye.

Dillo, que liderou o Partido Socialista Sem Fronteiras, deveria ser a principal oposição ao seu primo e atual presidente de transição, Mahamat Idriss Deby, durante as eleições de maio.

Um porta-voz do governo disse quinta-feira que quatro soldados morreram durante os ataques, bem como três pessoas que eram membros do partido de Dillo.

Dez dias antes do tiroteio, o membro da oposição Ahmed Torabi foi acusado de tentativa de assassinato do presidente do Supremo Tribunal, Samir Adam Annour. Torabi foi preso, disse o governo.

O governo e o partido da oposição tinham relatos diferentes sobre o caso. Um comunicado do governo disse que a agência de segurança foi atacada por membros do Partido Socialista Sem Fronteiras.

Segundo o partido, cujo secretário-geral relatou os acontecimentos à agência de notícias Reuters, o tiroteio partiu de soldados contra familiares e membros do partido que se dirigiram à agência de segurança.

Dillo também foi acusado de liderar um ataque contra a agência de segurança durante a noite de terça-feira, afirmação que negou. Ele também disse à Agence France-Presse antes de sua morte que o ataque contra Annour foi “encenado” e tinha como objetivo “eliminá-lo fisicamente” antes das eleições.

A família de Dillo disse ter recebido o corpo e que seu funeral estava marcado para quinta-feira.

A sua morte ocorreu um dia depois de um anúncio de que as eleições presidenciais do Chade seriam realizadas em 6 de maio, em vez de outubro, como previsto.

Fontes[editar | editar código-fonte]