Líbano já conta 157 mortos e 5 mil feridos devido a uma explosão no porto de Beirute

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

6 de agosto de 2020


157 mortos e cerca de 5 mil feridos: estes são os números mais recentes após uma explosão no porto de Beirute atingir diversos quarteirões há dois dias, no dia 04 de agosto. Os dados são da rede de notícias Al Jazeera.

A causa da explosão ainda está sendo investigada, mas inicialmente acredita-se que foi causada por nitrato de amônio, substância guardada no local, em conteiners, há cerca de seis anos. O governo do Líbano prometeu penas duras aos responsáveis pela guarda do material, caso se comprove que houve falhas neste processo. O governo também anunciou hoje que o comitê de investigação, criado em função do incidente, tem quatro dias para determinar as responsabilidades.

Visita do presidente francês

O presidente francês Emmanuel Macron chegou hoje ao Líbano, acompanhado de outras autoridades francesas, e no início da tarde (no horário local) visitou o local da explosão. Ele também usou o Twitter para enviar uma mensagem ao país, escrevendo "o Líbano não está sozinho".

Ajuda internacional

Diversos países da região, como a Jordânia e o Irã, e de outros continentes, como a Rússia, a República Tcheca e a França, enviaram ajuda profissional (médicos, enfermeiros e bombeiros) e de insumos médicos (medicamentos, hospitais móveis, entre outros) ainda ontem ao Líbano.

Danos extensos

Segundo o governo libanês, a explosão causou danos que podem chegar a cinco bilhões de dólares, destruindo praticamente todo porto e danificando prédios numa extensa área ao redor. O governador da província de Beirute, Marwan Abboud, afirmou ontem que cerca de 300.000 pessoas perderam suas casas.

Além disto, conteiners que armazenavam grãos e que estavam no porto também foram destruídos, colocando em risco a segurança alimentar dos libaneses. O ministro da Economia Raoul Nehme disse ontem que o país tinha reservas suficientes para menos de um mês e que para garantir a segurança alimentar este estoque precisaria ser praticamente quatro vezes maior.

Notícias Relacionadas

Fontes


Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com