Kerry: Rússia arrisca lugar no G8 com envio de tropas

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

2 de março de 2014

Kiev, Grushevskogo str. 22.01.2014.JPG

O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, alertou hoje (2) que a Rússia se arrisca a perder o seu lugar no prestigiado G8 (o grupo dos sete países mais industrializados, formado pela Alemanha, França, Itália, o Reino Unido, Canadá, os Estados Unidos, o Japão - e a Rússia) devido ao envio de tropas para a república autônoma da Crimeia.

O presidente russo Vladimir Putin “pode não ter [a cúpula do] G8 em Sochi, pode mesmo não ficar no seio do G8 se isso continuar”, advertiu Kerry em declarações à televisão norte-americana NBC.

Antes, os ministros dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido e da França anunciaram ter decidido suspender a participação nas reuniões preparatórias da Cúpula do G8, prevista para junho na cidade russa de Sochi.

O chefe da diplomacia francesa, Laurent Fabius, disse que a França espera que sejam suspensas "as reuniões de preparação do G8”, reagindo à situação de tensão entre Kiev e Moscou, depois da Câmara Alta do Parlamento russo ter aprovado ontem (1º), por unanimidade, um pedido do presidente Vladimir Putin para autorizar "recurso às Forças Armadas russas no território da Ucrânia".

O Canadá, por sua vez, decidiu suspender a participação na cúpula. Além disso, retirou o embaixador na Rússia, em protesto pela intervenção militar na Ucrânia, e pediu a Moscou que “retire imediatamente” as tropas do país.

Nesse sábado, a administração norte-americana informou, em comunicado, que decidiu suspender a participação nas reuniões preparatórias do G8.

O comunicado foi divulgado após conversa telefônica de 90 minutos entre o presidente norte-americano, Barack Obama, e Putin. Na conversa, Obama pediu o recuo das forças russas e advertiu contra um isolamento internacional crescente, se for mantida a intervenção na Ucrânia.

O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Anders Fogh Rasmussen, pediu hoje (2) à Rússia que pare com as atividades militares e as ameaças contra a Ucrânia, lembrando que as ações russas põem em risco “a paz e a segurança na Europa”.

Rasmussen falou antes de uma reunião de emergência com os 28 embaixadores da Otan, em Bruxelas, para “discutir as implicações [da ação da Rússia] na segurança europeia”.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati