Julgamento em tribunais chineses de repressão às Bíblias em áudio

15 de dezembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Os tribunais chineses este mês foram palco de dois julgamentos que processam empresários cristãos por venderem versões em áudio da Bíblia, uma nova repressão que faz parte de uma campanha do governo para “erradicar a pornografia e publicações ilegais”.

Lai Jinqiang, um empresário cristão cuja empresa vende um reprodutor de áudio da Bíblia - um aparelho semelhante a MP3 que permite aos usuários compartilhar trechos da Bíblia - foi julgado em um tribunal distrital na cidade costeira de Shenzhen, em 7 de dezembro por vender dispositivos eletrônicos.

Em 9 de dezembro, quatro cristãos, Fu Xuanjuan, Deng Tianyong, Han Li e Feng Qunhao, foram julgados pelo mesmo tribunal por “operações comerciais ilegais”. Todos trabalharam para a Life Tree Culture Communication Co., Ltd, cujo negócio principal é a venda de leitores de áudio da Bíblia. O promotor recomendou que o tribunal condene Fu, o dono da empresa, a cinco anos de prisão. As outras três sentenças variam de 18 meses a três anos.

De acordo com a Bitter Winter, uma revista online sobre liberdade religiosa e direitos humanos, a polícia também está entrando em contato com compradores de áudio da Bíblia para alertá-los sobre o potencial de infringir a lei ao fazer tais compras.

Fontes