Infecções por COVID atingem recorde histórico em Tóquio

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Tedros Adhanom

31 de julho de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

O governo metropolitano de Tóquio disse que novas infecções por coronavírus atingiram um recorde no sábado, quando a cidade sedia os Jogos Olímpicos registrou 4.058 novos casos, superando 4.000 pela primeira vez.

O novo recorde foi estabelecido um dia depois que o Japão estendeu o estado de emergência para Tóquio até o final de agosto para conter a propagação. A extensão também se aplica a três prefeituras próximas a Tóquio e à prefeitura ocidental de Osaka.

Um novo recorde de infecções também foi estabelecido em todo o país no sábado. A emissora pública NKH relatou 12.341 novos casos, 15% a mais que no dia anterior.

“A pandemia terminará quando o mundo decidir acabar com ela”, disse o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, na sexta-feira, em Genebra, sobre o surto global de COVID-19, que agora está sendo causado pela variante delta do coronavírus. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA afirmam que a variante delta é tão contagiosa quanto a catapora e que as infecções em pessoas vacinadas podem ser tão transmissíveis quanto as não vacinadas.

“A meta da OMS continua sendo apoiar todos os países a vacinarem pelo menos 10% de sua população até o final de setembro, pelo menos 40% até o final deste ano e 70% até meados do próximo ano”, disse o chefe da OMS, mas acrescentou que a realização dos objetivos está "muito longe".

“Até agora, pouco mais da metade dos países vacinaram totalmente 10% de sua população, menos de um quarto dos países vacinaram 40% e apenas três países vacinaram 70%”, disse Tedros.

Ele lembrou que a OMS havia anteriormente “alertado para o risco de que os pobres do mundo fossem pisoteados na corrida pelas vacinas” e que “o mundo estava à beira de um fracasso moral catastrófico” por causa da iniquidade das vacinas.

“E, no entanto, a distribuição global de vacinas continua injusta”, disse Tedros.

Fonte

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit