Incêndio destroi mais de 600 casas em Manaus

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

18 de dezembro de 2018

Manaus —

Incêndio atingiu casas de madeira no bairro de Educandos e deixou mais de 600 famílias desabrigadas

Um incêndio de grandes proporções destruiu mais de 600 casas no bairro de Educandos, zona sul de Manaus, na noite de segunda-feira, dia 17 de dezembro. Segundo a Defesa Civil, o fogo teve início por volta das oito horas da noite e se alastrou rapidamente pelo agrupamento de casas. O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, declarou estado de calamidade pública e anunciou medidas para alojar as famílias que perderam tudo no incêndio. Cerca de quatro pessoas saíram feridas, sendo encaminhadas para serviços de pronto atendimento e para o hospital 28 de agosto. Não informações sobre as causas do incêndio.

A região onde ocorreu o incêndio é repleta de casas de madeira e palafitas, sendo uma das mais pobres de Manaus. De acordo com relatos dos moradores, o fogo começou por volta das oito da noite e se alastrou rapidamente por casas de alvenaria. Famílias tiveram que sair às pressas, e muitas perderam tudo no fogo.

Trabalhos de rescaldo e socorro às vítimas

Os bombeiros conseguiram controlar o incêndio por volta da meia-noite de terça-feira. Os trabalhos foram dificultados por conta das ruas estreitas e becos, que não permitiram que as viaturas se aproximassem dos maiores focos. Alguns pequenos focos ainda persistiam no local até a manhã. As famílias foram alocadas em igrejas próximas e em ginásios pela cidade. Trabalhos de voluntários e de empresas buscam colher doações para as famílias, principalmente colchões, água e mantimentos.

Apoio do governo federal

O presidente Michel Temer, por meio do Twitter, prestou solidariedade às vítimas do incêndio e disse que o governo federal vai dar apoio à prefeitura de Manaus. O prefeito também decretou estado de calamidade e que aguarda os recursos federais para ajudar no trabalho de ajuda às famílias.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati