Imunidade ao Covid-19 pode ser perdida em meses, sugere estudo

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

14 de julho de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

As pessoas que se recuperaram do Covid-19 podem perder sua imunidade à doença em meses, de acordo com uma pesquisa sugerindo que o vírus pode reinfectar pessoas ano após ano, como resfriados comuns.

No primeiro estudo longitudinal desse tipo, os cientistas analisaram a resposta imune de mais de 90 pacientes e profissionais de saúde da fundação NHS de Guy e St Thomas e encontraram níveis de anticorpos que podem destruir o vírus atingiram o pico cerca de três semanas após o início dos sintomas.

Os exames de sangue revelaram que, enquanto 60% das pessoas organizaram uma resposta "potente" de anticorpos no auge de sua batalha contra o vírus, apenas 17% mantiveram a mesma potência três meses depois. Os níveis de anticorpos caíram 23 vezes no período. Em alguns casos, eles se tornaram indetectáveis.

"As pessoas estão produzindo uma resposta razoável de anticorpos ao vírus, mas está diminuindo em um curto período de tempo e, dependendo de quão alto é o seu pico, isso determina quanto tempo os anticorpos permanecem por perto", disse Katie Doores, principal autora do estudo.

O estudo tem implicações no desenvolvimento de uma vacina e na busca da "imunidade do rebanho" na comunidade ao longo do tempo.

O sistema imunológico tem várias maneiras de combater o coronavírus, mas se os anticorpos forem a principal linha de defesa, os resultados sugerem que as pessoas podem se infectar novamente em ondas sazonais e que as vacinas podem não protegê-las por muito tempo.

"A infecção tende a fornecer o melhor cenário para uma resposta de anticorpos, portanto, se sua infecção está fornecendo níveis de anticorpos que diminuem em dois a três meses, a vacina potencialmente fará a mesma coisa", disse Doores. "As pessoas podem precisar de reforço e uma aplicação pode não ser suficiente."

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit