Impasse político sobre a recondução de Zelaya está nas mãos do Congresso

Agência Brasil

3 de novembro de 2009

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Os apoiadores do presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, começaram hoje(3) uma vigília em frente ao Congresso e dizem que de lá só vão sair quando os deputados votarem a recondução ao cargo. Um dos manifestantes, Juan Vásquez, afirmou que “os deputados têm a obrigação de devolver a credibilidade ao povo”.

A polícia hondurenha montou no local um cordão de isolamento para impedir o acesso ao prédio. Mas, em dias normais, a maioria dos 128 deputados não vai ao Congresso porque está em campanha pela reeleição. Com dificuldade de quórum para a votação em curto prazo, Zelaya fez um apelo à comunidade internacional para que fiscalize o cumprimento do acordo.

Ele já deixou claro que só se voltar ao poder, vai reconhecer o governo de unidade e reconciliação nacional, previsto para ser formado nesta quinta-feira (5). "Sempre, nesses acordos, existe a possibilidade de manipulação, de jogos obscuros, contra os quais devemos nos manter alertas até o seu cumprimento", afirmou o presidente deposto.

Os representantes do governo golpista sinalizaram que não há pressa para a votação e que Roberto Micheletti vai se encarregar de criar o governo de transição. O secretário de Assuntos Políticos da Organização dos Estados Americanos (OEA), Victor Rico, confirmou que não há prazo para a votação sobre a recondução de Zelaya. “Não há limite fixo para os procedimentos do Congresso. Ele terá o tempo necessário para tomar uma decisão”, disse Rico.

Enquanto o impasse político em Honduras gira agora em torno do Congresso, a comissão da OEA que vai fiscalizar a execução do acordo começa a trabalhar nesta terça-feira (2). Está prevista a chegada dos dois representantes internacionais que vão integrar a comissão: o ex-presidente do Chile Ricardo Lagos e a secretária de Trabalho dos Estados Unidos, Hilda Solis. A comissão terá ainda um representante dos governos golpista, Arturo Corrales, e deposto, Jorge Reina.

Fontes