Impasse na criação do governo de transição que deve ser instaurado em Honduras

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

5 de novembro de 2009

O governo de transição de Honduras será instaurado hoje (5), confirmou a comissão criada para acompanhar a execução do acordo político firmado entre o governo golpista e o deposto. No entanto, representantes do presidente deposto, Manuel Zelaya, querem a sua presença no novo governo, o que não estaria garantido pela comissão.

O secretário norte-americano para Assuntos do Hemisfério Ocidental, Thomas Shannon, disse que a recondução de Zelaya à presidência não é uma exigência para o governo de transição começar a funcionar. A declaração, segundo o diplomata brasileiro Lineu de Paula, que está na Embaixada do Brasil em Honduras, não foi bem recebida por Zelaya. "O presidente ficou muito chateado e escreveu uma carta para a Secretária de Estado dos Estados Unidos, Hillary Clinton, perguntando qual o papel de Thomas Shannon nessa negociação”, contou de Paula.

Outro membro da comissão, o ex-presidente chileno Ricardo Lagos, disse que, anteontem (3) conversou com o presidente golpista, Roberto Micheletti, e ele admitiu abrir mão da presidência. Mas na entrevista coletiva convocada pela comissão, Lagos evitou falar sobre o impasse na recondução de Zelaya ao cargo. Lagos disse apenas que “a solução deve vir passo a passo” e que todos os lados têm que ser capazes de avançar em temas considerados, por ele, mais importantes, como o governo de reconciliação nacional.

Segundo representantes de Micheletti e de Zelaya, os nomes que vão compor o governo de transição ainda estão sendo estudados. Mas o representante de Zelaya na comissão, Jorge Reina, alertou que esse governo só pode começar a funcionar se o presidente deposto voltar à presidência. “O certo é que o presidente Zelaya volte. Ao se estabelecer um governo de reconciliação nacional, que reverte as coisas ao estado de antes de 28 de junho, o presidente se chama José Manuel Zelaya”, disse Reina.

A secretária de trabalho dos Estados Unidos, Hilda Solís, que integra a comissão, disse que espera que as eleições ocorram no fim do mês. “O acordo prevê a instalação de um governo de transição até o dia 5. Esperamos que isso aconteça e que haja eleições tranquilas”, disse Solís.



Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati