Honduras aprova extradição para os EUA do ex-presidente Juan Orlando Hernández

18 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Um juiz de Honduras aprovou na quarta-feira a extradição para os Estados Unidos do ex-presidente Juan Orlando Hernández, acusado em Nova York de acusações relacionadas ao tráfico de drogas e uso de armas de fogo.

Um tweet do Judiciário hondurenho deu a notícia.

“Juiz de Extradição de Primeira Instância resolve: GRANT Pedido de extradição enviado pelo Tribunal da Comarca Sul de Nova York para o ex-Presidente da República Juan Orlando Hernández Alvarado.”

Hernández foi preso em 15 de fevereiro em sua residência em Tegucigalpa em resposta a um pedido de prisão preventiva de Washington para fins de extradição.

O ex-presidente havia perdido sua imunidade quando foi substituído no cargo em 27 de janeiro, após as eleições de 2021.

O nome de Hernandez foi mencionado repetidamente nos últimos anos em acusações e julgamentos nos Estados Unidos por tráfico de drogas contra cidadãos hondurenhos.

Ele também foi acusado de usar fundos de narcotraficantes para financiar suas campanhas eleitorais e conquistar a presidência em 2013.

Seu irmão, Tony Hernández, foi condenado em outubro passado à prisão perpétua em Nova York por tráfico de drogas.

Hernández sempre argumentou que as acusações de criminosos condenados nos Estados Unidos foram uma vingança pela luta que ele travou contra o narcotráfico em Honduras.

De acordo com a agência AP, o porta-voz do Judiciário, Melvin Duarte, disse que na audiência de quarta-feira o ex-governador “em termos gerais argumentou as motivações que geraram este processo de extradição contra ele, que tanto ele quanto a esposa declararam publicamente”.

Um de seus advogados, Iván Martínez, disse à AP que ainda há "um recurso que deve ser analisado".

“Temos três dias para analisar a decisão que foi tomada hoje e fazer nossa abordagem de acordo com a lei”, explicou.

Segundo os especialistas, Hernández terá agora a oportunidade de apresentar um recurso único, que deve ser resolvido pelos magistrados da Suprema Corte.

Fontes