Guiné-Bissau: Analista defende a continuidade da missão de paz

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Agência VOA

10 de outubro de 2017

A força deveria ter saído do país em setembro.

O consultor jurídico e analista Luís Peti diz que, na atual situação política guineense, a força de interposição da paz da Comunidade de Estados da África Ocidental, Ecomib, deverá continuar no país.

Na opinião do especialista, a força deverá continuar até que se restabeleça a estabilidade e a segurança.

Aquela força foi autorizada, a 26 de abril de 2012, na sequência do último golpe de Estado, que interrompeu o processo eleitoral.

Desde então, cumprindo a sua missão, os homens da Ecomib instalaram diferentes bases na cintura da capital guineense, protegendo as principais instituições da república e algumas figuras políticas.

Nos últimos cinco anos, os chefes de Estado e do Governo da África Ocidental prorrogaram a missão de ECOMIB na Guiné-Bissau, mesmo com o registro de dificuldades financeiras.

A força deveria ter saído do país em setembro.

Fonte[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati