Guiné-Bissau: Analista defende a continuidade da missão de paz

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

10 de outubro de 2017

A força deveria ter saído do país em setembro.

O consultor jurídico e analista Luís Peti diz que, na atual situação política guineense, a força de interposição da paz da Comunidade de Estados da África Ocidental, Ecomib, deverá continuar no país.

Na opinião do especialista, a força deverá continuar até que se restabeleça a estabilidade e a segurança.

Aquela força foi autorizada, a 26 de abril de 2012, na sequência do último golpe de Estado, que interrompeu o processo eleitoral.

Desde então, cumprindo a sua missão, os homens da Ecomib instalaram diferentes bases na cintura da capital guineense, protegendo as principais instituições da república e algumas figuras políticas.

Nos últimos cinco anos, os chefes de Estado e do Governo da África Ocidental prorrogaram a missão de ECOMIB na Guiné-Bissau, mesmo com o registro de dificuldades financeiras.

A força deveria ter saído do país em setembro.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati