Guerra expulsa milhares de refugiados afegãos da Ucrânia

19 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Três semanas atrás, Haseeb Noori se tornou um refugiado – pela segunda vez.

O advogado afegão, de 45 anos, morava com sua esposa e cinco filhos em um campo de refugiados improvisado perto da fronteira ucraniana-eslovaca quando bombas russas começaram a cair.

“Meus filhos entraram em pânico e decidimos sair e seguir para a fronteira”, disse Noori em entrevista.

Milhares estavam correndo para as fronteiras da Ucrânia com os países da Europa Ocidental. Depois de uma tentativa inútil de atravessar para a Eslováquia em 24 de fevereiro, a família deu meia-volta e seguiu para o norte, em direção à fronteira polonesa, juntando-se a outros refugiados em uma repetição de sua saída frenética de Cabul no ano passado.

“Depois de dois dias e duas noites e caminhando por mais de 50 quilômetros, entramos na Polônia”, disse Noori, falando de um campo de refugiados em Barneveld, na Holanda, onde chegou há duas semanas.

Noori e sua família estavam entre as várias centenas de afegãos que foram evacuados para a Ucrânia pelos militares do país após a tomada do Afeganistão pelo Talibã em 15 de agosto. Alguns dos evacuados foram reassentados nos Estados Unidos e no Canadá nos últimos meses, mas a maioria ainda vivia na Ucrânia quando a Rússia invadiu o país no mês passado.

Migração em massa

A guerra forçou mais de 3 milhões de pessoas a deixar o país, a maior migração em massa na Europa desde a Segunda Guerra Mundial. Entre eles estavam mais de 162.000 estrangeiros que viviam na Ucrânia, segundo a Organização Internacional para as Migrações.

Em resposta à crise, a União Europeia lançou em 4 de março um programa de proteção emergencial para refugiados da Ucrânia, concedendo-lhes direitos de residência, seguro saúde, educação e outros benefícios em todo o bloco de 27 membros.

Os benefícios são aplicáveis ​​a refugiados e outros residentes permanentes da Ucrânia. Mas a diretiva da UE é executada de maneira diferente por diferentes países, e não está claro quantos afegãos fugitivos da Ucrânia têm direito a proteção temporária.

Fontes