Grupo islâmico reivindica atentados que mataram 55 pessoas na Síria; Jornalistas turcos são libertados

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

12 de maio de 2012

Síria — Um enigmático grupo islâmico reivindicou hoje, dois atentados à bomba em Damasco (capital da Síria), que mataram 55 pessoas na semana passada.

O grupo Al Nusra publicou um vídeo na internet em que assume a autoria dos acontecimentos da última quinta-feira, 10 de maio, alegando que as bombas eram uma resposta a ataques feitos pelo governo do presidente Bashar Al Assad a zonas residenciais na Síria.

As autoridades do país haviam atribuído os atentados de quinta-feira a "terroristas apoiados por estrangeiros", no entanto, grupos opositores acusaram o próprio governo de organizar os atentados, considerado o maior desde o começo dos primeiros protestos inspirados na Primavera Árabe, iniciada em dezembro de 2010.

Jornalistas

Dois jornalistas turcos, o repórter Adem Ozkose e o cinegrafista Hamit Coskun, detidos no começo de março, quando trabalhavam na província de Idlib, no norte da Síria, foram libertados hoje, 12 de maio. O acordo para a libertação dos dois reféns foi feito pelo Irã, já que a Turquia fechou sua embaixada em Damasco.

Os jornalistas já chegaram em Teerã e, em entrevista pelo telefone à agência de notícias turca Anatolia, disseram que estão bem de saúde e querem encontrar suas famílias.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati