Governo nega interferência na negociação de venda da Delta

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

11 de maio de 2012

Brasília, DF, Brasil — O Palácio do Planalto negou hoje (11) qualquer interferência sobre a negociação de venda da Delta Construção pela holding J&F. A operação foi anunciada na última quarta-feira (9). Em nota, o governo declara que “não interfere em operações privadas”.

“Em relação às negociações sobre a mudança do controle da Delta Construção, o governo federal reitera que não interfere em operações privadas”, diz o texto, divulgado no começo da tarde pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência.

A Delta, que atua em obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), pode ser investigada pela Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Cachoeira, por causa das relações da construtora com o empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, suspeito de explorar jogos ilegais.

Ontem (10), o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), acionista e financiador do Grupo JBS, controlado pela J&F, também negou qualquer influência sobre a negociação entre a holding e a construtora.

“A iniciativa do negócio partiu exclusivamente da holding da família controladora e é uma decisão privada de natureza empresarial, que não depende da anuência do BNDES e sobre a qual a instituição não foi consultada. Caso seja concretizada a venda, o BNDES não se tornará sócio da construtora, já que é acionista apenas da JBS, empresa do setor de proteína animal”, informou o banco.

Na nota de hoje, o Palácio do Planalto acrescenta que a Delta está sendo investigada pela Controladoria-Geral da União (CGU) e que pode ter contratos suspensos caso seja considerada inidônea. “O governo alerta que está em curso na Controladoria-Geral da União processo de decretação de inidoneidade da Delta Construção. Caso a CGU conclua pela condenação, a empresa estará impedida de ser contratada pela administração pública, nos termos da Lei 8.666 de 1993, com consequências econômicas presentes e futuras”, de acordo com a nota.

Nota à imprensa
Em relação às negociações sobre a mudança do controle da Delta Construção, o governo federal reitera que não interfere em operações privadas.
São falsas, portanto, as ilações de que a referida operação teve aval deste governo.
O governo alerta que está em curso na Controladoria Geral da União processo de decretação de inidoneidade da Delta Construção. Caso a CGU conclua pela condenação, a empresa estará impedida de ser contratada pela administração pública, nos termos da Lei 8.666 de 1993, com consequências econômicas presentes e futuras.
Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República

Nota

BNDES

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, descartou hoje (11), no Rio de Janeiro, que haja risco de a instituição vir a injetar recursos na operação de compra da Construtora Delta pela J&F, holding que controla o frigorífico JBS, do qual o banco é acionista.

Não há fundamento, não haverá risco. São coisas extremamente diferentes. Estamos absolutamente tranquilos.

Luciano Coutinho

Ele prometeu zelar para que não haja riscos aos acionistas da JBS em termos de estrutura. “Essa é uma operação apartada, feita pela holding, e nos zelaremos para que a empresa, a sociedade aberta que está no mercado, se mantenha totalmente saudável e não haja nenhum relacionamento entre uma coisa e outra”. Coutinho reafirmou que esse é também interesse dos acionistas em geral da JBS.

O presidente do BNDES foi um dos debatedores do seminário Política Industrial no Século 21 promovido pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, no Rio de Janeiro.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati