Governo moçambicano altera calendário de recenseamento eleitoral

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

21 de fevereiro de 2018

Organizações da sociedade civil, ligadas aos processos de observação eleitoral, dizem que a alteração do calendário é algo inevitável, mas apelam a seriedade.

O Conselho de Ministros de Moçambique na terça-feira, 20, disse que o registro de eleitores passa para o período de 19 de março a 17 de abril.

Inicialmente, o processo estava agendado para 1 de março a 29 de abril.

Para o governo, a razão é simples: Evitar que o recenseamento colida com o período da 2ª volta da eleição intercalar na autarquia de Nampula.

Organizações da sociedade civil, ligadas aos processos de observação eleitoral, dizem que a alteração do calendário é algo inevitável, mas apelam a seriedade.

Alberto Manhique, do Fórum de Monitoria Eleitoral, diz que, apesar do novo calendário ser apertado, em função de tudo que precisa ser feito até a realização das eleições autárquicas de 10 de outubro, a alteração pode não ter muita influência.

Contudo, Manhique alerta que os órgãos eleitorais têm um papel fundamental, para que o recenseamento eleitoral não venha ressuscitar os fantasmas da primeira volta da intercalar de Nampula.

“Quinze dias não podem comprometer todo um processo, desde que o STAE (Secretariado Técnico de Administração Eleitoral) assuma este processo com muita responsabilidade, tendo em conta que todos nós ficamos beliscados com a desorganização da intercalar de Nampula (…) o receio poderá residir nesse prisma” afirma Manhique.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati