Governo federal libera R$ 200 milhões para Roraima

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

11 de dezembro de 2018

O presidente Michel Temer definiu hoje (11), durante reunião com o governador eleito de Roraima e interventor no estado, Antonio Denarium (PSL), a liberação de cerca de R$ 200 milhões. O dinheiro será usado para pagamento dos salários dos servidores, atrasados desde outubro. A intervenção federal em Roraima vai até o dia 31. Para o governador eleito, o estado vive um caos econômico e social.

“Negociamos e acertamos valores a serem repassados para o governo do estado de Roraima para acabar com o caos social que estamos vivendo hoje”, disse Denarium. Segundo o interventor, até ontem (10), havia greve em todos os setores. “Esse valor será para a folha de pagamento dos servidores”.

Em Brasília, hoje (11), Denarium pretende ainda se reunir com o ministro do Planejamento, Esteves Colnago, para fechar os detalhes do repasse de recursos, e também com o ex-juiz Sérgio Moro, que assumirá o Ministério da Justiça.

Urgência

Denarium pediu ajuda do governo federal para outros setores, como saúde e educação. No total, segundo ele, seria necessário liberar R$ 500 milhões.

“Solicitamos que esse valor fosse ampliado pelo governo federal para que a gente possa quitar as dívidas e as contas mais emergentes, como merenda escolar, transporte escolar e medicamentos”, disse Denarium.

Conforme Denarium, Roraima tem uma dívida corrente em atraso de cerca de R$ 2 bilhões. “Em que pese toda a justeza do que pede o nosso interventor, nós temos impedimentos orçamentários [para liberar um valor maior]”, disse o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, que participou da reunião, no Palácio do Planalto, com Temer e Denarium.

Orçamento

Segundo Padilha, o Orçamento da União está fechado, e o governo tem pouca margem de manobra. “Temos alguma possibilidade, em valores próximos a R$ 200 milhões, que daria para cobrir as folhas dos servidores. A preocupação do presidente é sanar a questão dos servidores. Isso será possível com esse valor que ainda pode ser remanejado”, afirmou.

Ainda hoje o Ministério do Planejamento vai fechar o valor exato. O presidente deve mandar uma medida provisória remanejando os recursos. “Não haverá repasse para o estado e sim uma ação direta do governo federal, que executa a sua intervenção”, afirmou Padilha.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati