Governo do Chile faz acordo com manifestantes e encerra onda de protestos no Sul do país

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

19 de janeiro de 2011

Integrantes do governo do Chile e da Assembleia de Magallanes – cidade onde houve a concentração de protestos no Sul do país – chegaram a um acordo ontem (18) encerrando mais uma semana de protestos. As manifestações foram geradas pelo aumento do valor do preço do gás. Pelo acordo, o governo aceita reduzir o reajuste e conceder novos subsídios para os moradores em situações específicas.

A onda de manifestações isolou cerca de 2 mil turistas na região incluindo um grupo de cerca de 150 brasileiros. Os protestos impediram a entrada e saída de veículos na região da Terra do Fogo. Autoridades e especialistas advertiram para o risco de desabastecimento de produtos básicos.

Porém, depois de dias de negociações houve um acordo. Pela proposta, o reajuste de 16,8% será reduzido para 3%. Também serão concedidos 15 mil novos subsídios para as famílias de baixa renda. Atualmente há a concessão de 3 mil subsídios. A concessão de subsídios para os moradores da região se baseia no fato de a área registrar baixíssimas temperaturas, assim como o solo é considerado inadequado para várias culturas.

O ministro de Energia e Mineração, Laurence Golborne, comemorou o fim dos protestos. "A situação foi superada pelo espírito de todas as pessoas envolvidas nas negociações”, disse ele, que no dia anterior havia sofrido agressões dos manifestantes.

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, também elogiou o acordo. Piñera ressaltou que o acordo foi alcançado "à luz de dois princípios fundamentais”. Segundo ele, estes princípios se baseiam na busca por solução de problemas e o respeito à ordem pública e à segurança pública.

Ainda hoje Piñera promete referendar oficialmente o acordo, firmado ontem pelo ministro de Energia e pelos representantes da Assembleia de Magallanes.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati