Governo de São Paulo libera R$ 3 milhões para ajudar Santa Casa

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

23 de dezembro de 2014

Brasil

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmim, anunciou hoje (24) a liberação, de forma emergencial e a fundo perdido, de R$ 3 milhões para que a Santa Casa de Misericórdia de São Paulo adquira insumos, como medicamentos, materiais, luvas e soro, entre outros. A entidade passa por grave crise financeira, com dívida que passa de R$ 770 milhões.

O valor não será usado no pagamento de salários e décimo terceiro dos funcionários, que estão atrasados. Segundo o governador, a Caixa Econômica Federal deverá liberar R$ 44 milhões no início de janeiro para que esses pagamentos sejam feitos. Alckmim disse que a venda de patrimônios é uma decisão interna da entidade, que é privada, mas acredita que os imóveis serão colocados à disposição. “É óbvio que de algum patrimônio vai ter que dispor”, declarou.

A Santa Casa já havia aprovado ontem (23) que a instituição ofereça como garantia para empréstimo da Caixa Econômica Federal um imóvel próprio, localizado na Avenida Paulista e avaliado em cerca de R$ 70 milhões. Segundo o secretário de Saúde, David, Uip, a Santa Casa tem dois prédios privados, o Santa Isabel 1 e Santa Isabel 2. Ele propõe a passagem de operação desses hospitais. “Nós entendemos que há duplicidade dos investimentos e do custo, tem dois centros cirúrgicos, duas UTIs. E o uso do Santa isabel 2 está diminuindo, então a Santa Casa passa o segundo prédio para a saúde suplementar, com o objetivo de otimizar o Santa Isabel 1 e tirar o custo do segundo prédio, que custa de aluguel quase R$ 500 mil por mês”, disse.

Na próxima semana, o promotor de Saúde Pública do Ministério Público Estadual, Arthur Pinto, propôs uma reunião com autoridades do estado, do município, do Ministério da Saúde e gestão da Santa Casa e do provedor do hospital. De acordo com o superintendente da Santa Casa, Irineu Massaia, a entidade segue atendendo pacientes de emergência, mas fará um contingenciamento dos casos eletivos, como consultas e exames não emergenciais. Segundo ele, embora a dívida não se resolva em dois anos, a ideia é que a gestão esteja equilibrada nesse prazo.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati