Governo de Guatemala pretende limitar a liberdade de expressão por calamidade

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Álvaro Colom, presidente da Guatemala.

12 de maio de 2009

Cidade da Guatemala, Guatemala

Como parte do estado de Calamidade Pública, emitido na quinta-feira passada pelo primeiro caso confirmado de influenza A H1N1 na Guatemala, o presidente guatemalteco Álvaro Colom propôs restrições de direitos garantidos pela Constituição do país. O estado de Calamidade Pública, que deve ser ratificado ou rejeitado pelo Congresso antes da próxima quarta-feira, restringiria os artigos que estabelecem as liberdades de expressão e de locomoção.

Deputados dos partidos de oposição manifestaram resistência às restrições, pondo em dúvida a necessidade de limitar a liberdade de opinião na Guatemala, onde o terceiro caso de epidemia do vírus foi confirmado em 8 de maio. Rosa María do Bloque Independiente Bancada Guatemala disse: "Entendemos que o Executivo tem que tomar medidas prevenção, mas em nenhum caso pode limitar a opinião dos cidadãos, e as ações devem ser especificamente orientadas para combater a emergência."

Roxana Baldetti do opositor Partido Patriota comparou o plano do presidente Álvaro Colom desfavoravelmente com a história do ex-presidente Jorge Serrano Elías, que em 1993, suspendeu a Constituição em pela luta contra a corrupção. Este acabou por renunciar a presidência e exilar-se no Panamá.

O Presidente Álvaro Colom defendeu a sua posição sobre a necessidade das medidas: "Em um caso disto, todos nós teremos de alinhar-nos a uma autoridade, e a autoridade eleita neste país sou eu, e da autoridade em nestes momentos de crise, tem ser impostas para evitar que alguém, algum, etc., tomem atitudes que não vai a benefício da saúde da gente, isso é tudo."

O estado de Calamidade Pública limitaria a vigência dos direitos reconhecidos nos artigos 5 º e 26 º da Constituição da Guatemala. O artigo 5 estabelece que nenhuma pessoa pode ser “perseguida ou molestadas pelas suas opiniões”, e artigo 26 se refere a liberdade de locomoção.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati