Governo chileno critica decisão de Micheletti de vetar saída de Zelaya do país

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bandeira de Honduras
Outras notícias sobre Honduras


Agência Brasil

10 de dezembro de 2009

A decisão do governo de Honduras de recusar a saída do presidente deposto, Manuel Zelaya, do país rumo ao México provocou hoje (10) críticas no Chile. O ministro das Relações Exteriores do Chile, Mariano Fernández, reiterou a necessidade de Zelaya e o atual presidente, Roberto Micheletti, buscarem um acordo.

A exemplo do Brasil, o Chile não reconhece o resultado das eleições hondurenhas, realizadas no último dia 29, nas quais Porfírio “Pepe” Lobo foi vitorioso e, portanto, presidente eleito. “Não estamos dispostos a aceitar que haverá um novo paradigma de golpe de Estado”, afirmou Fernández.

Segundo o chanceler chileno, a decisão, tomada ontem (9) pelo governo Micheletti, agrava a situação em Honduras. Por divergências sobre o status concedido pelo governo mexicano a Zelaya – o presidente deposto pedia para ser tratado como “hóspede”, enquanto Micheletti insistia em se referir a ele como “asilado político”. O pedido de autorização para Zelaya deixar Honduras foi recusado pelo governo atual do país.

Também hoje (10) o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, criticou a iniciativa do governo de Honduras ao rejeitar a saída de Zelaya do país. “É uma intransigência. Não é assim que se faz democracia e política, mas querer ensinar diplomacia e política a golpistas é muito difícil”, disse ele.

Como Fernández, Amorim afirmou que a autorização poderia ter colaborado para buscar um acordo em Honduras. Para o chanceler brasileiro, a eventual tentativa do governo Micheletti obrigar Zelaya a assinar um documento pedindo asilo político é uma “forma de humilhação”.

A crise política em Honduras se arrasta desde 28 de junho, quando um golpe de Estado organizado por setores do Congresso Nacional, das Forças Armadas e da Suprema Corte depuseram Zelaya. O presidente deposto deixou o país e depois retornou, abrigando-se com um grupo de correligionários na Embaixada do Brasil em Tegucigalpa.

Desde 21 de setembro, Zelaya está abrigado na embaixada, onde, de acordo com autoridades brasileiras, poderá ficar no prédio o tempo que considerar necessário. A expectativa é que fique até o final de janeiro, quando acabaria oficialmente seu mandato como presidente da República.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati