Governo britânico apresenta projeto de lei antiterrorismo ao Parlamento

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

26 de novembro de 2014

Reino Unido

O governo britânico apresentou hoje (26) ao Parlamento, em Londres (sede do Reino Unido e da Inglaterra), um projeto de lei para endurecer o combate à ameaça terrorista no Reino Unido. Entre as principais medidas estão a ampliação do poder da polícia para apreender passaportes, impedir o retorno ao Reino Unido e até retirar a cidadania britânica de suspeitos de envolvimento em atividades terroristas.

Companhias aéreas terão que endurecer a checagem e fornecer à polícia, com agilidade, dados dos passageiros. Elas também serão obrigadas a respeitar as listas de pessoas não autorizadas a voar. Provedores de internet terão que registrar e disponibilizar aos órgãos de segurança endereços de IP (sigla em inglês para Internet Protocol) de computadores de usuários suspeitos.

De acordo com a Polícia Metropolitana de Londres, a ameaça terrorista no Reino Unido cresceu de “substancial” para “severa” em 2014. A ministra do Interior, Theresa May, disse, em entrevista na última segunda-feira (24), que 40 ataques terroristas planejados foram evitados e abortados pela polícia desde 7 de julho de 2005, quando atentados suicidas resultaram na morte de 52 pessoas na capital inglesa. Ela espera que o projeto seja aprovado com rapidez pelo Parlamento.

Com a grande quantidade de cidadãos britânicos deixando o país para lutar pelo Estado Islâmico na Síria e no Iraque (são cerca de 500, segundo o governo) a ameaça cresceu. Muitos deles estão retornando ao país depois de passarem por treinamentos terroristas. É o caso dos jovens Mohommod Hassin Nawaz, de 31 anos, e Hamza Hawaz, de 23 anos, que foram condenados hoje, em Londres, a quatro anos e a três anos e meio de prisão, respectivamente, por conspiração terrorista. Os dois irmãos, de nacionalidade britânica, atenderam a um treinamento militar do Estado Islâmico na Síria e foram presos em agosto de 2013, quando tentavam retornar ao Reino Unido.

As forças de segurança admitiram que não conseguirão resolver o problema sem o apoio da população. Por isso, uma campanha contra o extremismo foi lançada, na busca de envolver escolas, universidades e outras entidades.

O governo britânico também atua na internet, para remover o material terrorista hospedado no Reino Unido e no exterior. Desde fevereiro de 2010, mais de 65 mil registros de conteúdo relacionado a atividades terroristas foram retirados da rede.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati