Governo brasileiro condena atentado a hospital militar em Cabul

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

9 de março de 2017

O governo brasileiro – através do Ministério das Relações Exteriores - lamentou profundamente o atentado terrorista ocorrido hoje (8) no Hospital Sardar Mohammed Daud Khan, considerado o maior hospital militar do Afeganistão, localizado na capital Cabul. A ação, perpetrada pela detonação de artefato explosivo, seguida de ataque de atiradores, deixou ao menos 30 mortos e 50 feridos.

Ao mesmo tempo em que “reitera seu firme repúdio a todo ato de terrorismo, qualquer que seja sua motivação, o governo brasileiro manifesta suas condolências às famílias das vítimas e sua solidariedade ao povo e ao governo do Afeganistão”, diz a nota do Itamaraty.

Crime de guerra

O grupo terrorista Estado Islâmico do Iraque e do Levante, assumiu a responsabilidade do ataque, considerado como crime de guerra. O chefe interino da Missão de Assistência da ONU no Afeganistão (Unama), Pernille Kardel, declarou que "este ataque covarde rejeitou os princípios mais básicos da humanidade", sendo uma atrocidade que “viola a lei humanitária internacional e pode ser considerado um crime de guerra, pelo qual os autores devem ser responsabilizados”.

O ataque ocorreu com a explosão de um carro-bomba na porta do hospital, pela manhã. Após o atentado, um grupo armado entrou no local com granadas e fuzis AK-47, matando pacientes, médicos e funcionários. Até as forças de segurança afegãs conseguirem interromper o ataque, dezenas de pessoas foram mortas ou ficaram feridas.

O combate entre as forças especiais do Afeganistão e os insurgentes durou várias horas, até o último atacante ser morto.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati