Governo angolano aprova lei de registo eleitoral que abre caminho às autárquicas

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

Proposta de lei segue agora para aprovação do parlamento.

27 de novembro de 2014

O Governo angolano aprovou ontem (quarta-feira, 26) uma nova Lei de Registo Eleitoral para as eleições gerais de 2017.

Ao anunciar a medida no final da reunião do Conselho de Ministros, o secretário de Estado da Administração do Território Adão de Almeida disse que após a sua aprovação pelo Parlamento, terá início o “registo oficioso” ou automático de todos os cidadãos maiores de 18 anos e possuidores de bilhete de identidade,

Almeida explicou que até ao momento, o país realizou ciclos eleitorais nacional e provinciais, dando como exemplo as eleições gerais para o Presidente da República e os deputados à Assembleia Nacional.

Agora, diz, “este é o ponto principal da incidência do registo eleitoral sobre a matéria”.

"Se nós entramos para as eleições autárquicas, nós introduzimos a democracia local e vamos baixar o círculo eleitoral a uma dimensão bem menor que a dimensão municipal ou da circunscrição territorial para a autarquia", explicou o governante.

Acerca das eleições autárquicas, o secretário de Estado salientou ainda que, tal como afirmou o Presidente da República, José Eduardo dos Santos, aquando do seu discurso sobre o Estado na Nação, a 15 de Outubro, "a seu tempo e de acordo com o calendário que acharem conveniente os partidos políticos com assento parlamentar”, a questão será tratada.

Recorde-se que Santos afirmou na altura que as autárquicas só poderão ser realizadas depois de 2017, o que provocou uma reacção em bloco dos partidos da oposição que vêm exigindo eleições municipais já em 2015, como prometido pelo PR aquando da sua posse em 2012.

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com