Governador sobrevoa área atingida por incêndio na região serrana do Rio

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

16 de outubro de 2014

Brasil

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, e o comandante-geral do Corpo de Bombeiros, coronel Sérgio Simões, sobrevoam agora à tarde a região do Parque Nacional da Serra dos Órgãos, na região serrana, para avaliar a extensão dos focos de incêndio que atingem desde domingo (12) os municípios de Petrópolis e Teresópolis.

Cerca de 200 bombeiros estão mobilizados nos trabalhos de combate ao fogo. As equipes têm apoio de 20 viaturas e quatro helicópteros – três do governo estadual e um da Marinha – que jogam água nas áreas com focos de incêndio.

Domingo, o Corpo de Bombeiros criou um gabinete de crise para coordenar os trabalhos. Já foram controlados focos nas seguintes localidades: Fazenda Santo Antônio, Retiro das Pedras, Fazenda Manga Larga, Vale das Videiras (Reserva Biológica das Araras), Calembe, Estrada da Rocinha e Área de Proteção Ambiental de Petrópolis.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, o trabalho em pontos de difícil acesso envolve a ação de homens por terra usando bombas costais (reservatórios de água semelhantes a mochilas levadas pelos militares – e material de sapa – enxadas e abafadores, entre outros). O número de pontos afetados está reduzido e hoje os trabalhos se concentram principalmente no Parque Nacional da Serra dos Órgãos (Parnaso).

O local mais atingido é a área próxima à Estrada do Mata Porcos, em Petrópolis, onde o incêndio começou e estendeu-se para o Parque Nacional da Serra dos Órgãos, situado entre os municípios de Guapimirim, Magé, Petrópolis e Teresópolis. Cerca de 600 dos 20.024 hectares do parque foram atingidos pelo fogo.

O Parnaso abriga vegetação remanescente de Mata Atlântica com 2.668 espécies registradas da flora, entre elas 369 espécies de orquídeas e mais de 100 de bromélias. Da fauna, são 462 espécies de aves, 105 de mamíferos, 104 de anfíbios, 82 de répteis, seis de peixes e mais de 500 de invertebrados. Desses animais, 130 são ameaçados de extinção. Desde o início do incêndio, foram retiradas duas antas mortas, um ouriço e uma paca que sofreram queimaduras. Os animais estão sendo tratados, na sede do parque, por veterinários do Projeto Fauna Viva.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati