Funcionários detidos na Huíla por vender resultados de testes falsos da Covid-19 com TIR

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

23 de dezembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Agência VOA

Entre os detidos está o chefe do departamento provincial de Saúde Pública e Controlo de Endemias, José Hélio Chiyangalala

Os três funcionários da saúde detidos na sexta-feria, 18, no Aeroporto Internacional da Mukanka, no Lubango, província angolana da Huíla, acusados do crime de falsificação de documentos e venda de testes rápidos falsos da Covid-19, foram colocados em liberdade sob Termo de Identidade e Residência e com a obrigatoriedade de se apresentarem à justiça.

A decisão foi tomada pelo Ministério Público, que agora vai dar início à instrução do processo.

“Neste momento o processo está em instrução preparatória e quem vai decidir o processo é o tribunal quando for remetido a juízo em função dos indícios recolhidos. Foi aplicada a medida de coação de caução cumulável ao termo de identidade e residência (TIR) e obrigação de apresentação periódica. Neste momento eles estão em liberdade e poderão responder caso for necessário durante a instrução preparatória em liberdade”, disse o procurador da República junto do Serviço de Investigação Criminal (SIC) na Huíla, Dorivaldo Domingos

Entre os detidos está o chefe do departamento provincial de Saúde Pública e Controlo de Endemias, José Hélio Chiyangalala.

Os outros dois cúmplices eram técnicos do mesmo sector, como confirmou o porta-voz daquele departamento governamental Jeremias Cayeye.

Durante a detenção, foram encontrados nas posse dos detidos 120 mil kwanzas e 14 testes rápidos com carimbos autenticados.

Fonte

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com