França homenageia professor assassinado

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Presidente francês Emmanuel Macron

21 de outubro de 2020

O presidente francês Emmanuel Macron prestou homenagem ao professor de história assassinado Samuel Paty durante uma comemoração nacional na Universidade Sorbonne de Paris, descrevendo-o como a encarnação dos valores de tolerância e aprendizagem e citando em termos desoladores a ameaça do Islã radical.

“Não renunciaremos aos cartuns”, disse Macron, referindo-se aos cartuns do Profeta Muhammad que Paty usou em uma aula sobre valores seculares - e que as autoridades disseram que levaram à sua decapitação por um terrorista islâmico.

“Samuel Paty foi morto porque os islâmicos querem nosso futuro”, disse o presidente, acrescentando, “eles nunca o terão”.

A cerimônia, marcada por um momento de silêncio e a outorga póstuma ao prêmio mais alto da Legião de Honra, culminou com uma onda de pesar e raiva pela morte de Paty perto da escola da área de Paris onde ele trabalhava.

A morte de Paty abalou a nação em parte por sua brutalidade absoluta, mas também porque atacou o que muitos franceses consideram sacrossanto - as escolas públicas do país como centros de pensamento crítico e liberdade de expressão, junto com seu credo ferrenho de laicité, ou secularismo.

No entanto, junto com flores, marchas e tributos - incluindo manifestações em massa nas principais cidades que reuniram dezenas de milhares - o país está testemunhando uma resposta fragmentada ao seu último ataque terrorista, que mistura apelos à guerra contra o extremismo islâmico com temores de que o país possa ser levando seu ethos secular longe demais.

Paty foi morta quando voltava da escola para casa na sexta-feira passada em aparente retaliação por mostrar os desenhos animados polêmicos do profeta Muhammad do Islã para seus alunos, durante uma aula sobre liberdade de expressão. As autoridades disseram que sete pessoas, incluindo dois menores, compareceriam a um juiz antiterrorismo.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com