Forças de segurança no Rio de Janeiro conquistam o Complexo do Alemão

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Forças de ocupação formadas pelos militares da Brigada de Infantaria Paraquedista, e a bandeira nacional hasteada no alto do Complexo do Alemão.

Agência Brasil

29 de novembro de 2010

O clima no conjunto de favelas do Alemão, na Penha, zona norte do Rio de Janeiro, é de aparente tranquilidade na manhã de hoje (29), dois dias depois da ocupação por tropas policiais e das Forças Armadas. Moradores da região voltam à rotina, saindo de casa para trabalhar. Além disso, o comércio, que permaneceu fechado nos últimos dias por conta dos tiroteios entre policiais e traficantes, abre as portas nesta manhã.

A polícia continua vasculhando das cerca de 30 mil casas da região, à procura de armas e drogas abandonadas pelos traficantes em fuga. Por causa dos confrontos e devido à queima de caminhões pelos traficantes, faltam luz e água em diversos pontos das comunidades.

Em nota, o prefeito do Rio, Eduardo Paes, agradeceu a reconquista pelas forças de segurança do estado, em parceria com as tropas federais que, por tantos anos, viveram sob o domínio de marginais. O prefeito disse que o município prepara um mutirão de serviços e um conjunto de projetos para a região, que vão melhorar a prestação de serviços e obras de urbanização para os moradores.


Cquote1.png

Vamos apresentar esse nosso plano e aguardamos apenas o comando do secretário Beltrame para iniciarmos essa invasão de serviços, que será permanente e sem limites de recursos da prefeitura para garantir condições de vida mais dignas à população dessas comunidades. (...)Estou muito orgulhoso, como prefeito e carioca, por esse momento histórico, que significa a libertação de milhares de pessoas de bem que eram reféns de criminosos covardes. Significa a refundação de partes da cidade, com a presença do Estado em territórios onde, durante anos, se fez presente um poder paralelo.

Cquote2.svg
Eduardo Paes, prefeito da cidade do Rio de Janeiro, em nota.




Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati