Executiva da Huawei é presa no Canadá

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

6 de dezembro de 2018

Vancouver —

A Huawei é uma das maiores fabricantes de celulares do mundo

Wanzhou Meng, atual diretora financeira e filha do fundador da fabricante foi detida em Vancouver, a pedido dos Estados Unidos.

A polícia canadense prendeu a diretora financeira da Huawei, Wanzhou Meng, após um pedido da justiça americana. A executiva é suspeita de ter violado sanções dos Estados Unidos ao Irã. O jornal “The Globe and Mail” deu a notícia da prisão da diretora nesta quarta-feira, 5 de dezembro, mas afirmou que a prisão ocorreu no sábado, dia 1º. Em resposta ao jornal, a justiça canadense confirmou o pedido de extradição da executiva para os Estados Unidos, e que uma audiência está marcada para sexta, dia 7 de dezembro. A Huawei, através de nota, diz que desconhece atividades ilegais de sua executiva e que confia que a justiça tomará uma conclusão justa.

As tensões entre a empresa e o governo dos Estados Unidos começaram em 2016, com suspeitas de espionagem chinesa, e se agravaram desde a posse de Donald Trump. O presidente americano assinou um decreto banindo o uso de equipamentos da Huawei pelos departamentos do Governo, citando preocupações com a segurança do país. Em 2018, um grupo de políticos americanos enviou um apelo ao Google para que cessasse sua parceria comercial com a Huawei.

China exige soltura e esclarecimentos

O governo chinês reagiu mal à prisão de Wanzhou Meng: exigiu que o Canadá forneça explicações sobre a detenção e também a libertação da executiva, sob a afirmação de que os direitos da mesma devem ser respeitados. A prisão da diretora financeira da Huawei estremeceu novamente as relações diplomáticas e comerciais entre EUA e China. Na cúpula do G-20, os dois países concordaram em estabelecer tréguas nas taxações de produtos de ambos os países. Agora, investidores estão apreensivos que a situação no Canadá possa colocar por água abaixo as conversações entre Washington e Pequim.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati