Ex-primeiro-ministro paquistanês Khan pede marcha antigovernamental

Fonte: Wikinotícias

23 de maio de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O ex-primeiro-ministro paquistanês Imran Khan anunciou no domingo que lideraria uma maciça “marcha pacífica” antigoverno na capital nacional, Islamabad, no final desta semana para pressionar sua demanda por novas eleições.

Khan pediu aos apoiadores de seu partido Paquistão Tehreek-e-Insaf (PTI) e aos paquistaneses em geral que cheguem à cidade para participar de seu comício a partir de quarta-feira, dizendo que acabaria se transformando em um protesto e continuaria até que suas demandas fossem atendidas.

Uma aliança liderada pela oposição derrubou o jogador de críquete que se tornou político no mês passado em um voto parlamentar de desconfiança, encerrando seu governo de quase quatro anos. O forte rival político de Khan, Shehbaz Sharif, o substituiu como chefe de uma nova coalizão governante.

“Nunca aceitaremos este governo em nenhuma situação”, disse Khan em entrevista coletiva na cidade de Peshawar, no noroeste do país, enquanto anunciava seu plano para a marcha.

“Não importa quanto tempo tenhamos que permanecer em Islamabad, permaneceremos lá até que dissolvam as assembleias e anunciem uma data para eleições transparentes e sem interferência estrangeira.”

O ministro da Informação, Marriyum Aurangzeb, criticou a convocação de Khan para a marcha de protesto e rejeitou sua demanda por eleições antecipadas, dizendo que “não pode intimidar o governo a anunciar eleições gerais no momento de sua escolha com suas ameaças”.

Aurangzeb disse que as novas eleições serão anunciadas por seu governo em “colaboração e consenso com todos os aliados”.

Khan se dirigiu a grandes comícios públicos em todo o país desde sua queda em uma tentativa de angariar apoio para a marcha de 25 de maio. Ele chamou isso de uma medida para garantir que os assuntos políticos e de política externa do Paquistão sejam protegidos contra intervenções externas.

O ex-líder de 69 anos renovou no domingo suas acusações de que os Estados Unidos conspiraram com seus oponentes políticos para derrubar seu governo, acusações que Washington rejeitou, juntamente com o primeiro-ministro Sharif.

Khan afirma que foi punido por seguir uma política externa independente e por ignorar o conselho de Washington contra visitar a Rússia. Khan se encontrou com o presidente Vladimir Putin em 24 de fevereiro, quando as tropas russas invadiram a Ucrânia.

“Não vamos deixar que propaganda, desinformação e desinformação – mentiras – atrapalhem qualquer relacionamento bilateral que tenhamos, inclusive com o relacionamento bilateral que temos com o Paquistão, que valorizamos”, disse o porta-voz do Departamento de Estado Ned Price a um jornal regular. entrevista coletiva no início deste mês.

As tensões políticas aumentaram no Paquistão em um momento em que o nascente governo de Sharif está lutando para lidar com uma crise econômica cada vez mais profunda, que decorre do aumento da inflação.

A incerteza política fez com que as ações caíssem. A rúpia paquistanesa está em baixa recorde e as reservas cambiais se esgotaram rapidamente, aumentando a pressão sobre o governo de coalizão sitiado.

O Paquistão está tentando negociar o restante de um pacote de resgate financeiro suspenso de US$ 6 bilhões com o Fundo Monetário Internacional, necessário para ajudar a sustentar as reservas cada vez menores de divisas.

O FMI quer que Islamabad retire os subsídios de combustível e energia como parte de qualquer acordo de assistência financeira, uma medida que pode alimentar a inflação e a revolta pública contra o governo.

Fontes