Evento no Rio debate sustentabilidade, direitos e iniciativas contra conflitos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

8 de outubro de 2014

Brasil

A primeira sessão de hoje (8) no TEDGlobal destacou pessoas que põem na prática suas ideias e pesquisas, e contou majoritariamente com mulheres entre os palestrantes, que discutiram sustentabilidade, direitos humanos, resolução de conflitos e mobilização social. A conferência, que ocorre pela primeira vez no Brasil, procura disseminar ideias criativas mundo afora. Razão pela qual reúne desde a última segunda-feira (6), na Praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, personagens de atuação universal nas diferentes áreas do conhecimento humano. O encontro prossegue até sexta-feira (10).

A apresentação que abriu a conferência foi da pesquisadora Ameenah Gurib-Fakim, que estuda a biodiversidade nas Ilhas Maurício, na costa ocidental da África. Ameenah defendeu a necessidade de preservar plantas que só existem naquele ecossistema, argumentando que cada espécie em extinção pode trazer benefícios para a ciência, se estudada.

"Em todo subconjunto de ecossistema que desaparece, plantas importantes, com potencial medicinal, desaparecem para sempre. Cada vez que uma floresta é desmatada ou um pântano é aterrado, um laboratório some e não poderá ser recuperado", enfatizou. As plantas apresentadas por Ameenah tinham substâncias nutricionalmente ricas para pesquisas de suplementos e segurança alimentar, bem como propriedades capazes de tratar doenças como a asma e a hanseníase.

Pesquisadora sobre guerras e conflitos, Séverine Autesserre defende que organismos internacionais prestem mais atenção a conflitos de ordem local, quando tentarem estabelecer processos de paz. Para ela, rivalidades entre grupos e tribos contribuem muito para a instabilidade nacional em países como o Congo, onde a crise humanitária já causou 4 milhões de mortes, e as ações da Organização das Nações Unidas (ONU) têm dificuldade de assegurar estabilidade mesmo depois de eleições.

"Os conflitos precisam ser resolvidos também de baixo para cima, e isso põe de cabeça para baixo a identidade de órgãos como a ONU, que agem em um nível macro", disse Séverine, que pediu programas locais de paz, com aposta no diálogo e ações de conciliação em pequena escala.

Em sua fala, a ativista Doreen Khoury, também da área de conflitos, disse que um lado da guerra na Síria não ganha destaque nas grandes coberturas, que é a mobilização da sociedade para reagir à violência com métodos não violentos. "As notícias que muitas pessoas veem são de um país já destruído, em que não existe mais sociedade", ressaltou.

Segundo ela, o avanço do grupo extremista Isis (sigla em inglês para Estado Islâmico do Iraque e Levante) e a repressão do governo silenciam as narrativas contadas por cidadãos que lutam para ocupar espaços públicos e praticam a não violência para combater o extremismo. Doreen exemplificou com manifestações pacíficas que ocorrem no país, iniciativas de construir infraestrutura e fornecer educação de forma cooperativa, assim como movimentos artísticos de questionamento da violência.

Ativista anti-corrupção, Charmian Gooch pediu aos participantes que sejam parceiros de seu projeto, que pretende revelar quem está por trás de empresas anônimas envolvidas em ações criminosas. "Encontro esse tipo de empresas a todo momento, por trás de cada caso de corrupção e desmatamento que não conseguimos imaginar. Não sou contra empresas, sou contra o anonimato que permite que criminosos ajam por trás de empresas", argumentou.

Ela também defendeu que não se trata de violar a privacidade, mas de ter informações que desvendem crimes. "Para que a economia funcione bem e de forma justa, é preciso ter acesso às informações corretas", disse Charmian, e divulgou o site http://www.globalwitness.org/, pelo qual tenta dar cabo da tarefa de revelar os anonimatos.

Único homem a fazer parte da primeira sessão desta quarta-feira, o israelense Oren Yakobovich montou uma empresa que usa equipamentos de segurança e vigilância para denunciar violações aos direitos humanos. Entre as ações, estão distribuir câmeras e treinamento a pessoas em áreas de conflito com o objetivo de flagrar intimidações e agressões.

"Para além dos pesquisadores e jornalistas, as pessoas que sofrem essas violência precisam contar suas próprias histórias, e documentá-las", disse o ativista, que foi soldado do Exército de Israel, em operações na Cisjordânia, e decidiu se dedicar a denunciar crimes contra os direitos humanos, a partir da experiência vivida.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati