Etiópia pede contenção na crise na Ucrânia

3 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, pediu moderação no conflito na Ucrânia, observando o sofrimento de seu país após um ano de guerra. A declaração notavelmente não condenou a Rússia por invadir seu vizinho. Muitos países na semana passada condenaram a invasão russa da Ucrânia.

A Etiópia se absteve de se juntar ao coro na quinta-feira, emitindo uma declaração oficial na qual pedia moderação de ambas as partes na crise da Ucrânia.

A declaração do gabinete do primeiro-ministro Abiy Ahmed disse que a Etiópia está preocupada com o que chamou de escalada da retórica que está intensificando o conflito.

Apelou a todas as partes para que encontrem vias para pôr fim às hostilidades, e observou que a própria guerra da Etiópia na região de Tigray devastou comunidades e famílias e prejudicou a economia do país. No entanto, o comunicado não condenou nenhuma entidade pelo conflito na Ucrânia.

Um dia antes, a Etiópia também se absteve de votar em uma votação da Assembleia Geral das Nações Unidas que pedia à Rússia que retirasse suas tropas da Ucrânia.

As autoridades etíopes não explicaram a decisão de evitar condenar Moscou. No entanto, a Etiópia tinha laços estreitos com a União Soviética durante o governo de 14 anos de Mengistu Haile Mariam, e vários estudantes etíopes estão atualmente estudando na Rússia.

Outros estudantes etíopes estavam na Ucrânia quando a invasão começou, e a embaixada etíope diz que 25 foram evacuados na quarta-feira.

Fontes