Esqueleto de 4 mil anos revela evidências de mais antigo tratamento ginecológico

Pelve

15 de dezembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Em 2017, arqueólogos acharam em Qubbet el-Hawa, no Egito, um poço vertical que conduzia a um túmulo contendo dez esqueletos. Após anos de análise, pesquisadores finalmente examinaram o corpo de uma mulher pertencente à classe alta no Egito Antigo que mostrava um grave trauma em sua pelve.

“As múmias tinham objetos fúnebres (geralmente colares de vários tipos); em alguns casos, seus rostos estavam cobertos com máscaras de cartonagem; e foram conservados dentro de dois sarcófagos retangulares, um dentro do outro. Elas apresentavam inscrições hieroglíficas e costumavam ser bem danificadas devido à infestação de cupins”, disse Miguel Botella, antropólogo forense responsável pelo exame.

Fontes

  • ((pt)) [hhttps://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/historia-hoje/esqueleto-de-4-mil-anos-revela-evidencias-de-mais-antigo-tratamento-ginecologico.phtml Esqueleto de 4 mil anos revela evidências de mais antigo tratamento ginecológico] — Aventuras na História, 15 de dezembro de 2020