Escritor e neurólogo Oliver Sacks revela que tem câncer terminal

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


19 de fevereiro de 2015

19 de fevereiro de 2015 Escritor Inglês e neurologista Oliver Sacks, autor de livros como enxaqueca, O homem que confundiu sua mulher com um chapéu e Um antropólogo em Marte, revelou quinta-feira em um artigo publicado no The New York Times que sofre de metástase câncer terminal colector no produto de melanoma ocular foi diagnosticado e tratado há nove anos fígado.

"Eu senti a minha saúde era bom, mesmo que era forte. Aos 81 anos, eu ainda nadar uma milha por dia. Mas a minha sorte acabou, semanas atrás eu descobri que tenho múltiplas metástases no fígado", disse Sacks em seu artigo intitulado My Own Life - Oliver Sacks sobre Aprendizagem ele tem câncer terminal.

O diagnóstico vem nove anos depois, ele foi diagnosticado e tratado com sucesso um tumor ocular rara, que raramente causa metástase. "Nós pertencemos à infeliz 2% [metástases em desenvolvimento]", disse ele. Sacks, que é professor emérito de neurologia do Albert Einstein College of Medicine, estava grato por ter vivido quase dez anos de boa saúde, durante o qual ele conseguiu continuar escrevendo.

No entanto, "Eu agora me encontro cara a cara com a morte", ele revela. Metástase ocupa um terço do fígado e, embora haja uma possibilidade de o seu avanço lento, é um tipo de cancro impossível curar. Em resposta, o médico britânico que reside nos Estados Unidos desde 1965, diz que acha que viver suas próximos meses, a "mais rica, mais profunda e produtiva" possível.

"Isso não quer dizer que eu terminei a minha vida. Pelo contrário, sinto-me intensamente vivo", diz ele. Ele também observa que espera para aprofundar amizades, dizer adeus a quem ama, escrever mais, viajando, se você tem a força e "adquirir novos níveis de compreensão e sabedoria." Nesse sentido, explica que ele vai parar de pagar a atenção para os "não-essenciais", como "discussões políticas ou sobre as alterações climáticas", no entanto, ainda se preocupa, mas "pertencem ao futuro".

Eu não posso fingir que não tenha medo. Mas o meu sentimento dominante é a gratidão. Eu tenho amado e sido amado; Eu recebi um monte e eu coloquei algo em mim; Eu li e viajou e pensou e escreveu. [...] Acima de tudo, eu tenho sido um ser senciente, um pensamento animal, neste belo planeta [...] tem sido um grande privilégio e uma grande aventura.

Sacks

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati