Ernesto Araújo critica globalismo na política externa do Brasil

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Agência Brasil

3 de janeiro de 2019

Na presença de autoridades e representantes de missões diplomáticas no país, o embaixador Ernesto Araújo assumiu hoje (2) formalmente o Ministério das Relações Exteriores (MRE), no lugar de Aloysio Nunes Ferreira. Em discurso de posse, que durou 32 minutos, o novo chanceler criticou o que chama de "globalismo" na política externa e a forma como os acordos comerciais vêm sendo conduzidos, além de citar passagens bíblicas, poéticas, literárias e músicas de Renato Russo e Raul Seixas e referências ao escritor Olavo de Carvalho.

Em grego arcaico citou o versículo bíblico "conhecereis a verdade e a verdade vos libertará", o ministro falou sobre nova abordagem para a política externa brasileira. "O presidente Bolsonaro está libertando o Brasil, por meio da verdade. Vamos libertar a política externa brasileira e libertar o Itamaraty", afirmou.

Globalismo

Segundo Ernesto Araújo, o "globalismo" está destruindo as nações. "Aqueles que dizem que não existem homens e mulheres são os mesmos que pregam que os países não têm direito de guardar suas fronteiras, são os mesmos que propalam que o feto humano é um amontoado de células descartáveis, são os mesmos que dizem que a espécie humana é uma doença e que deveria desaparecer para salvar o planeta", disse.

Ernesto Araújo mencionou Israel, Estados Unidos, Itália, Hungria e Polônia como países que admira pela postura patriótica e afirmação nacionalista. Numa breve menção sobre a Venezuela, disse admirar "os que lutam contra a tirania" no país vizinho, além dos latinoamericanos "que se libertaram dos regimes do foro de São Paulo".

"O problema do mundo não é a xenofobia, mas a oikophobia, que é odiar o próprio lar, o próprio povo, tripudiar a própria nação", disse. Araújo também falou do crescente "ódio a Deus".

Acordos comerciais

O novo chanceler disse também que sua gestão vai mostrar que o país não precisa se submeter ao globalismo para promover os negócios no exterior.

"Um dos instrumentos do globalismo, para abafar aqueles que se insurgem contra ele, é espalhar que para fazer comércio e negócios não se pode ter ideias nem defender valores. Nós provaremos que isso é completamente falso. O Itamaraty terá, a partir de agora, um perfil mais elevado, mais engajado, que jamais teve na promoção do agronegócio, do comércio, dos investimentos, da tecnologia", disse, acrescentando que o Itamaraty vai se aproximar dos empresários e do setor produtivo e "não será mais um ministério que só fica olhando".

Segundo o ministro, a ideia é criar um setor de promoção comercial no MRE e desburocratizar as representações internacionais, que devem atuar como um "escritório comercial" a favor dos produtos brasileiros.

"Nós negociamos, muitas vezes, a partir de uma posição de fraqueza, como se estivéssemos implorando acesso a mercados, quando na verdade deveríamos negociar a partir de uma posição de força, como um dos maiores, potencialmente o maior produtor de alimentos do mundo, por exemplo", destacou.

Foros multilaterais

Sobre a participação do Brasil em foros multilaterais, Ernesto Araújo disse que defenderá os interesses nacionais, as liberdades e os direitos humanos. "No sistema multilateral político, especialmente na ONU, vamos reorientar a atuação do Brasil em favor daquilo que é importante para os brasileiros, não o que é importante para as ONGs, defenderemos a soberania, a liberdade de expressão, a liberdade de imprensa, a liberdade de internet, a liberdade política. Defenderemos os direitos básicos da humanidade, principalmente o direito de nascer", afirmou.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati