Equipe internacional estudará o DNA de Colombo para determinar sua origem

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pintura de Cristóvão Colombo

20 de maio de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Uma equipe internacional de cientistas reunidos na Espanha na quarta-feira lançará um projeto para determinar de uma vez por todas de onde o famoso explorador Cristóvão Colombo veio examinando seu DNA.

Embora Colombo seja reivindicado há muito tempo pela Itália, também há especulações de que ele possa ter sido espanhol, português, croata ou até polonês. Pouco se sabe sobre sua história inicial, e o projeto foi elaborado para resolver a questão.

Em 2003, uma equipe da faculdade de medicina da Universidade Espanhola de Granada estabeleceu, por meio de pesquisas de DNA, que os ossos de uma tumba na catedral de Sevilha eram de Colombo, resolvendo uma disputa com a República Dominicana que alegava que seu corpo estava enterrado ali.

Naquela época, a tecnologia do DNA não era avançada o suficiente para determinar muito mais. Avanços na tecnologia desde então, entretanto, tornaram possível agora determinar aproximadamente a área de ancestralidade de uma pessoa.

Os ossos de Colombo, de seu filho Hernando e de seu irmão Diego serão examinados na Universidade de Granada, com material genético enviado a laboratórios na Itália e nos Estados Unidos.

Para dar início ao projeto, a Universidade de Granada está hospedando um encontro que está chamando de primeiro encontro mundial de pesquisadores de Colombo, que apresentam evidências de suas diferentes teorias sobre as origens do explorador. Os cientistas e historiadores trouxeram com eles documentação, artefatos e, segundo notícias, até mesmo algum material genético.

As quatro viagens transatlânticas de Colombo em nome dos monarcas espanhóis entre 1492 e 1504 abriram uma porta para a colonização das Américas pela Europa, então conhecida como Novo Mundo.

Colombo morreu em 20 de maio de 1506 e foi sepultado na cidade espanhola de Valladolid.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit