Equador vai pagar parcela da dívida com BNDES que vence dia 29

Agência Brasil

18 de dezembro de 2008

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O Equador pagará a parcela que vence no próximo dia 29 do empréstimo de US$ 243 milhões que tem com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O compromisso foi assumido pelo presidente Rafael Correa em reunião bilateral com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ontem (17), na Costa do Sauípe (BA).

O encontro, de cerca de 50 minutos, ocorreu após encerramento da Cúpula da América Latina e do Caribe sobre Integração e Desenvolvimento (Calc). Os dois presidentes também concordaram em mudar o tom atual das conversas sobre a questão da dívida e tentar encaminhar os problemas bilaterais de uma forma mais amena, com mais diálogo.

Pouco antes, em coletiva de imprensa, Correa havia lamentado que sua decisão de questionar a dívida referente á construção da Hidrelétrica San Francisco pela construtora Odebrech tenha se transformado em um incidente diplomático. Também disse esperar que o governo brasileiro revisse, o quando antes, a retirada do embaixador do Brasil no Equador – ele foi chamado no final de novembro, logo depois que o governo equatoriano entrou com juízo arbitral junto à Corte Internacional de Arbitragem da Câmara de Comércio Internacional (CCI), com vistas a suspender o pagamento da dívida junto ao BNDES.

Além do encontro com Correa, Lula teve reuniões bilaterais com os presidentes do Paraguai, Fernando Lugo, do México, Felipe Calderón, da Bolívia, Evo Morales e de Honduras, Manuel Zelaya.

Em conversa com jornalistas argentinos, Fernando Lugo relatou que Lula estaria disposto a negociar um preço justo pela energia de Itaipu que o Paraguai não utiliza e, por contrato, é obrigado a vender para o Brasil. A revisão é uma demanda antiga do governo paraguaio, que também pede o direito de vender a energia excedente a outros países e questiona a dívida de quase US$ 20 bilhões que ainda tem com o Brasil pela construção da usina binacional.

Fontes