Enviado dos EUA chega hoje a Honduras para tentar pôr fim à crise política

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Aristóteles
Outras notícias sobre política


Agência Brasil

28 de outubro de 2009

Com um golpe de estado em vigor há quatro meses e negociações sem consenso entre os governos golpista e deposto, chega hoje (28) a Honduras o secretário-assistente para o Hemisfério Ocidental, Thomas Shannon. O enviado da secretária do Departamento de Estado, Hillary Clinton, tem como missão fazer com que os dois lados cheguem a um consenso, principalmente porque os Estados Unidos têm importância significativa para a economia hondurenha.

O país é responsável por dois terços das exportações de Honduras e milhares de hondurenhos que vivem nos EUA enviam dinheiro para o local de origem. Thomas Shannon é cotado para ser o embaixador dos Estados Unidos no Brasil, mas isso ainda depende do aval do Senado norte-americano.

O secretário de Assuntos Políticos da Organização dos Estados Americanos (OEA), Victor Rico, chegou ontem (27) a Tegucigalpa, também com a missão de ajudar a resolver o impasse. “Há esperanças de se chegar a um acordo, por isso estamos aqui. Mas para isso, é preciso um empurrãozinho final”, disse Rico.

Enquanto a comunidade internacional pressiona para solucionar a crise, no cenário interno, a violência ganha mais espaço. Nos últimos dias, ocorreram crimes com prováveis motivações políticas. O pai do vice-ministro da Defesa hondurenha, Alfredo Jalil, de 81 anos, foi sequestrado quando saía de casa ontem (27). O carro dele foi encontrado abandonado a quatro quilômetros do centro da capital Tegucigalpa.

No último fim de semana, foram assassinados um sobrinho do presidente Roberto Micheletti e o chefe de um setor das Forças Armadas. Enzo Micheletti, de 24 anos, foi morto numa cidade a 300 quilômetros da capital hondurenha. Já o militar Concepción Jiménez foi assassinado na porta de casa na noite de domingo (25).

A polícia hondurenha não vê relações entre os três crimes, mas não descarta motivação política. “Essa hipótese está sendo cogitada, mas é a última das que estão em jogo”, disse o comissário Orlin Cerrato, relações públicas da corporação.



Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati