Ensino bilíngue mostra sinais animadores

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

16 de novembro de 2017

Formação de professores é um dos desafios, diz o ministro da Educação.

O Governo de Moçambique, a braços com a fraca qualidade de ensino, quer expandir a educação bilíngue, mas adverte-se que sem um programa sério de formação de professores esse processo pode não ser bem sucedido.

O ensino bilíngue começou em 2004, e atualmente, os cerca de 100 mil alunos envolvidos, já estão a levar para casa os resultados, que são uma maior assimilação da informação passada pelos professores.

Esta quinta-feira, 16, o ministério moçambicano da Educação e Desenvolvimento Humano, promoveu, em Maputo, uma conferência para discutir formas de expandir o ensino bilíngue no país.

"Os resultados que obtivemos desde a introdução do bilinguismo nesta escola são extraordinários", considerou Joaquim Alberto, professor numa escola primária, na Manhiça, acrescentando que os alunos que começaram a estudar na sua língua materna são os que têm melhores resultados.

Especialistas dizem que se o projeto for bem implementado terá sucesso.

O analista Eduardo Conzo, reconhece que ainda há problemas por resolver, mas acredita que o ensino bilíngue é um projeto sério e capaz de solucionar os problemas pedagógicos existentes no sistema educacional moçambicano.

O vice-ministro moçambicano da Educação e Desenvolvimento Humano, Armindo Ngunga, acredita que o bilinguismo possa ser a solução para a questão do insucesso escolar em Moçambique, mas diz que a formação de professores "constitui um grande desafio".

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati