Enquanto os ucranianos esperam por ajuda humanitária, mais conversas na ONU

Fonte: Wikinotícias

23 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A Assembleia Geral da ONU iniciou um longo debate na quarta-feira sobre dois projetos de resolução que buscam aliviar a crise humanitária na Ucrânia, onde milhões esperam por comida, água e suprimentos médicos ou a chance de escapar de sua cidade sitiada com segurança.

“Milhares de ucranianos perderam a vida neste mês: jovens e velhos, mulheres e homens, civis e militares”, disse o embaixador da Ucrânia na ONU, Sergiy Kyslytsya, “sobre a guerra na Rússia, que começou nas primeiras horas de 24 de fevereiro. decidiu atacar - atacar a Ucrânia, atacar a paz, atacar todos nós. Cada dia da guerra russa contra a Ucrânia agrava cada vez mais a situação humanitária.”

Os números são impressionantes. Em apenas um mês, as Nações Unidas dizem que 3,5 milhões de pessoas fugiram para países vizinhos e 6,5 milhões estão deslocadas na Ucrânia. A ONU estima que 12 milhões de pessoas precisam de assistência humanitária. A situação piora a cada dia.

Os estados membros da ONU têm diante de si duas resoluções. Ambos pedem um cessar-fogo imediato, proteção de civis, infraestrutura civil crítica, trabalhadores humanitários e pessoal médico.

Mas há uma diferença gritante: um texto nomeia a Rússia como o agressor e pede que cesse suas ações contra a Ucrânia, enquanto o segundo texto não nomeia nenhum agressor e essencialmente coloca a Ucrânia – que foi atacada – no mesmo nível de seu agressor.

México e França, junto com a Ucrânia, estavam entre os 25 países que redigiram o texto que dá nome à Rússia, e sua resolução conta com mais de 80 co-patrocinadores na Assembleia Geral. A África do Sul é a autora do segundo texto. Não ficou imediatamente claro se o projeto tinha co-patrocinadores.

Há mais de 70 diplomatas programados para participar do debate de quarta-feira. Uma votação poderia rolar até quinta-feira.

Qualquer resultado não teria um efeito juridicamente vinculativo sobre a Rússia, mas com forte apoio internacional, expressaria a vontade do mundo de que as hostilidades parassem e as pessoas fossem ajudadas.

O grande número de palestrantes expressou apoio ao projeto ocidental, ressaltando a destruição da Ucrânia pela Rússia, incluindo seu cerco à cidade portuária de Mariupol, no sul, e o bombardeio indiscriminado de civis e infraestrutura crítica.

“À luz da tragédia que está se desenrolando, a Assembleia Geral tem que assumir sua responsabilidade de lidar com essa catástrofe humanitária e pedir urgentemente à Rússia que respeite os princípios básicos do Direito Internacional Humanitário que se aplica a todos”, disse o embaixador da União Europeia, Olof Skoog, em um comunicado. em nome do bloco de 27 membros.

A Turquia, que se apresentou como um potencial mediador entre a Rússia e a Ucrânia, disse que a guerra nunca deveria ter começado e deveria parar imediatamente.

“Vamos ser claros: a crise humanitária na Ucrânia não é resultado de um desastre natural”, disse o embaixador Feridun Sinirlioğlu à assembleia. “É feito pelo homem. É o resultado da flagrante violação do direito internacional humanitário pela Federação Russa. Isso é inaceitável.”

Apenas a Síria tomou a palavra para apoiar a Rússia. Moscou fornece apoio militar ao regime do presidente Bashar al-Assad desde 2015 em sua guerra brutal contra sua população. Mesmo a Bielorrússia, que hospeda tropas russas em seu território e acredita-se que esteja considerando envolver seus próprios militares na Ucrânia para apoiar a Rússia, não foi ao plenário da Assembleia Geral. Também estiveram ausentes do debate a Eritreia e a Coreia do Norte, que completam os países que apoiaram publicamente Moscovo nas Nações Unidas.

O embaixador da Rússia na ONU, Vassily Nebenzia, rejeitou o texto ocidental como tendo "elementos flagrantemente anti-russos".

“Deixe-me ser claro: este cenário tornará a resolução da situação na Ucrânia mais difícil”, disse Nebenzia. “Porque, mais provavelmente, isso encorajará os negociadores ucranianos e os levaria a manter a atual posição irreal, que não está relacionada à situação no terreno nem à necessidade de atacar as causas profundas, o que significava que a Rússia tinha que começar, quase um mês atrás, sua operação militar especial na Ucrânia.”

Ele disse que se os países quiserem ajudar a situação humanitária na Ucrânia, eles podem votar a favor do projeto de resolução de Moscou no Conselho de Segurança da ONU.

Esse texto provavelmente não conseguirá os nove votos necessários e nenhum veto quando for colocado em votação no conselho na quarta-feira.

Enquanto isso, os humanitários continuam sem fortes garantias para sua segurança, tentando alcançar milhões de ucranianos com ajuda para salvar vidas, muitos deles presos em áreas com hostilidades ativas.

Fontes