Em jogo fraco, Angola conquista primeiro ponto diante do México

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

16 de junho de 2006

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Na abertura da segunda rodada do Grupo D da Copa do Mundo de 2006, a representação mexicana empatou em 0 a 0 com a Seleção Angolana de Futebol, jogo ocorrido na cidade de Hannover, às 21:00 locais (UTC-2). O resultado ainda deixa indefinida a situação da classificação no grupo, já que deixa o México com 4 pontos (havia derrotado o Irã por 3 a 1) e Angola com 1 ponto (derrota para Portugal por 1 a 0), os dois com chances de classificação. Até a partida Portugal vs. Irã, México está em primeiro e Angola em terceiro. Angola supreende mais uma vez. Após ter complicado as coisas para Portugal,que penou para vencê-la, os "Macangas" seguraram um empate com o cabeça-de-chave do grupo, situação parecida com a de Trinidad & Tobago. Se os angolanos vencerem o Irã por um bom placar, basta que o México perca para Portugal e Oliveira Guimarães consegue um feito histórico para um país arrasado por 30 anos de guerra civil: a classificação para as oitavas.

O jogo

O México não começou tão objetivo como se esperava, já que enfrentava outra seleção considerada "fraca". Já os angolanos, que almejavam um bom resultado entraram com vontade, o que se refletiu no alto número de faltas aos 15 minutos. A defesa africana repetia sua ótima atuação contra Portugal (levou o gol aos 8 minutos, e Angola ainda estava com a tensão pré-estréia) e não permitia cabeçadas e bolas aéreas. Os mexicanos precisavam trabalhar a bola no chão, mas a pouca habilidade de seus meias não permitia, restando cruzamentos e mais cruzamentos. Quando Angola roubava alguma bola ou saía da defesa, parava na pouca habilidade de seus jogadores, que perdiam a bola ou rifavam-a, buscando a velocidade de Akwá, Zé Kalanga ou André Macanga. As melhores chances mexicanas foram uma bola na trave após falta e evntuais cabeçadas despretensiosas. Ambas as equipes errava muito e a bola ficava mais fora de jogo do que dentro. O intervalo chega e o placar é inalterado.

O México volta preocupado com segundo tempo, porque o empate já estava durando demais. Ricardo Lavolpe (que havia sido advertido pela FIFA por fumar demais no banco) retira meias e bota atacantes, deixando o jogo mais rápido. Só que comete um erro, já que o México corre mais, mas sua qualidade de passe cai muito. Angola segue chutando de fora da área e correndo pelas laterais, sentindo que pode marcar. As duas seleções continuam desperdiçando chances, comtendo faltas (cartão vermelho para André Macanga) e perdendo bolas, assim como o tempo passa. Nos últimos 5 minutos, o México tem duas ótimas chances: uma incrivelmente desperdiçada por um atacante sozinho com João Ricardo e outra bola na trave após chute sem ângulo de Pardo. O jogo (fraco, diga-se de passagem) termina e o placar não muda. Os únicos motivos de comemoração vieram parte de Angola, que conquista seu primeiro ponto em Copas.