Em Minsk, autoridades tentam acabar com conflito entre Ucrânia e Rússia

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

11 de fevereiro de 2015

Ucrânia

A chanceler alemã, Angela Merkel, e os presidentes da França, François Hollande; da Rússia, Vladimir Putin, e da Ucrânia, Petro Poroshenko, chegaram hoje (11) a Minsk para participar de reunião destinada a encontrar uma solução para o conflito na Ucrânia. Merkel e Hollande chegaram acompanhados dos respectivos ministros dos Negócios Estrangeiros, Frank-Walter Steinmeier e Laurent Fabius, pouco depois de ter pousado na capital bielorrussa o avião do presidente da Ucrânia. Os chefes de governo da Alemanha e da França deverão se reunir com Poroshenko antes da cúpula, informou o gabinete do presidente francês.

A reunião, que tem por objetivo acabar com dez meses de guerra, começa na noite desta quarta-feira, mesmo dia em que foi deflagrado um dos mais sangrentos combates no Leste da Ucrânia, entre as forças de Kiev a separatistas pró-Rússia. Pouco antes daquele que é considerado o encontro diplomático mais importante desde o início da crise ucraniana, os participantes elevaram a pressão com declarações, enquanto, na região, soldados ucranianos e rebeldes intensificaram os combates para se apresentarem em uma posição de superioridade à mesa das negociações.

Cerca de 50 pessoas, civis e soldados, foram mortas entre ontem e hoje no Leste da Ucrânia, um dos piores balanços desde o início do conflito. Em dez meses, a guerra já fez mais de 5.300 mortos. O encontro na Bielorrússia, decidido após uma semana de intensas consultas diplomáticas lideradas pela França e Alemanha, tem como objetivo a adoção de um plano de paz para acabar com o conflito entre as forças ucranianas e os separatistas. A chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, disse que a Cúpula de Minsk é “uma mudança para o melhor ou para o pior”, referindo-se a “perspetivas preocupantes”, se o resultado da reunião for negativo.

Antes de voar para Minsk, o presidente ucraniano mostrou-se irredutível. Ele se disse disposto a decretar a lei marcial em toda a Ucrânia em caso de fracasso da reunião. Poroshenko advertiu a Rússia de que ele, Merkel e Hollande falarão “a uma só voz”. Segundo a Presidência francesa, Hollande e a chanceler alemã pretendem “tentar tudo” para encontrar uma solução diplomática e pôr fim à crise que originou o pior período de confrontos entre a Rússia e o Ocidente desde o fim da União Soviética, em 1991.

Em Washington, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, fez a tensão aumentar quando telefonou, ontem à noite, a Putin. Na conversa, Obama disse que ao presidente russo que, caso continue sua estratégia “agressiva” na Ucrânia, a Rússia verá aumentado “o preço a pagar”. Em Moscou, o chefe da diplomacia russa, Serguei Lavrov, destacou “progressos notáveis” nas negociações. No entanto, acusou os ucranianos de querer colocar no topo das negociações da lista das prioridades da cúpula a questão do controle da fronteira entre a Rússia e a Ucrânia, junto às zonas separatistas.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati