Eleições em Moçambique começam no último dia de Agosto

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

30 de agosto de 2014

A campanha eleitoral para as eleições de 15 de Outubro em Moçambique começa amanhã de domingo (31) e pode assinalar a primeira aparição pública do líder da Renamo, Afonso Dhlakama, que há cerca de um ano encontra-se na serra da Gorongosa.

As eleições vão inaugurar uma nova metamorfose político-institucional por ocorrerem numa altura em que o activismo politico no país mostra que o equilíbrio de forças mudou bastante, sobretudo com a surpreendente ascensão do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), que, tal como a Renamo tem estado a bater-se por uma mudança no Governo

Para além do activismo politico, destacam-se também no debate político moçambicano o surgimento da chamada sociedade civil, mais activa, e o facto de os eleitores moçambicanos começarem a mostrar que têm opiniões políticas próprias.

Arão Macanze, líder da Igreja Adventista, diz ser verdade que nos últimos 20 anos a Frelimo procurou reforçar o seu poder político e económico, mas também é verdade que os partidos da oposição estão a influenciar a tomada de decisões políticas, ao mesmo tempo que manifestam a ambição de tirar a Frelimo do poder.

Acrescenta ainda que seja quem for o vencedor, estas eleições marcam sempre uma transição. "Devido à sua importância, porque traduzem uma transição em Moçambique, estas eleições devem ser devidamente acompanhadas pelos observadores e sociedade civil", disse.

O Observatório Eleitoral, uma organização de líderes religiosos e da sociedade civil que tem observado as eleições em Moçambique desde 2003, diz estar a investir muito no acto de Outubro.

"O Observatório Eleitoral pensa entrar nestas eleições com 400 observadores, que vão acompanhar os partidos políticos e os candidatos. Vamos ter também 163 monitores de conflitos que, em parceria com os órgãos eleitorais e os partidos políticos, vão resolver todos os conflitos que forem surgindo", revelou Augusta Almeida, daquela organização.

Por seu lado, a Comissão Nacional de Eleições, na voz do seu porta-voz, Paulo Cuinica, diz que todo e qualquer acto de violência vai ser considerado crime, punível nos termos da lei.

Actos de violência têm-se registado em períodos eleitorais em Moçambique, envolvendo simpatizantes dos diferentes partidos.

Nampula

A província de Nampula, o maior círculo eleitoral de Moçambique, regista um movimento enorme de pessoas de outras províncias para o início da campanha eleitoral.

Dois dos três candidatos à ponta vermelha vão lançar a caça ao voto na cidade de Nampula, Filipe Nyusi (da Frelimo) e Daviz Simango (do MDM).

Os cidadãos começaram a ouvir mensagens e a ler nas diferentes esquinas cartazes com convites para actos que marcarão o início da campanha eleitoral.

Cidadãos ouvidos pela Voz da América dizem esperar que a recente aprovação da lei eleitoral e o acordo de cessar das hostilidades traduzam-se igualmente numa campanha eleitoral pacífica e ordeira.

O início da campanha eleitoral no maior círculo eleitoral do país está a ser antecedido de divulgação de mensagens de paz e apelos a uma eleição mais pacífica e sem abstenção, por parte de diversas organizações da sociedade civil.

Uma dessas organizações é a Associação das Mulheres Rurais de Nampula que, juntamente com o Fórum Mulher, sensibiliza as mulheres a não faltarem às urnas no dia 15 de Outubro.

Recorde-se que a província de Nampula perdeu dois mandatos mas anteriores eleições, mas deverá eleger 45 deputados à Assembleia da República.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati