Eleição em Holanda apertada opõe extrema direita e conservadores amanhã

Agência Brasil

15 de março de 2017

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Todos os olhares do mundo político internacional estarão voltados nesta quarta-feira (15) para as eleições gerais da Holanda, onde desponta o candidato de extrema direita Geert Wilders, de 53 anos, do Partido para a Liberdade (PVV), que baseia sua campanha numa agenda xenofóbica, anti-islâmica, protecionista e contra a União Europeia (UE). As informações são da Agência Télam.

As eleições holandesas marcam o pontapé inicial do calendário eleitoral de um ano-chave para a Europa, onde os partidos tradicionais estão em declínio e emergem forças eurocéticas (que se opõem à integração à União Europeia) de ultra direita. O resultado da Holanda poderá ter forte impacto nas eleições na França, em abril, e na Alemanha, em setembro.

Nestes países, que, do mesmo modo que a Holanda, fazem parte do núcleo fundador da UE, a direita também tem conquistado forte protagonismo impulsionado pela crise de refugiados, pelos recentes atentados islâmicos na Europa e pelas vitórias de Donald Trump nos Estados Unidos e do Brexit no Reino Unido.

Favorito

Apesar do discurso ultradireitista, Geert Wilders é o favorito nas eleições da Holanda, que registra uma taxa de crescimento de 2,3% e em torno de 5,4% de desemprego. A chave para as eleições de amanhã não será a economia, mas a questão da própria identidade de um país de cerca de 17 milhões de habitantes, onde nos últimos anos o número de imigrantes superou o dos emigrantes.

Coalizão

Com esta premissa de defesa da identidade como bandeira, cerca de 30 partidos batalharão nesta quarta-feira pelas 150 cadeiras parlamentares em jogo, em comícios marcados pela diversidade, o que obrigará os principais partidos a fazer coalizões para poder governar.

Dos 31 partidos que concorrem, só 14 obteriam votos suficientes para conseguir representação parlamentar, segundo as pesquisas, que antecipam que o próximo governo necessitará fazer uma coalizão com pelo menos quatro ou cinco partidos.

A emissora de TV pública holandesa NOS concluiu na semana passada, com base em pesquisas, que o Partido Popular para a Liberdade e a Democracia (VVD), do atual primeiro-ministro, Mark Rutte, de 50 anos, que prega a manutenção do status quo, conseguiria 25 cadeiras parlamentares (16,67% dos votos), uma a mais que o ultradireitista PVV, de Wilders.

Desde então, as tendências se mantêm, apesar de uma recente crise recente entre os governos holandês e turco tenha alimentou ainda mais o discurso xenófobo e anti-imigratório de Wilders, e deu grande importância ao debate televisivo que ele manteve ontem com o adversário Rutte.

Fontes