El Pais fala sobre infiltração dos cartéis das FARC no continente

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

6 de novembro de 2007


Segundo notícia publicada pelo jornal colombiano El Pais o grupo de narcoguerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) conseguiu infiltrar-se em vários países do continente sulamericano por intermédio das suas células políticas. O jornal cita como uma das principais fontes de informação o senhor Ramiro Anzit Guerrero, que já assessorou vários governos em questões de segurança e terrorismo.

As relações estratégicas das FARC no continente teriam sido facilitadas pelo relacionamento desta organização com movimentos e partidos políticos de esquerda. De acordo com Anzit Guerreiro: "As relações estratégicas que as Farc estabeleceram com organizações de esquerda em outros países, serviram de veículos para infiltrar neles membros de seus cartéis".

As declarações de Guerreiro seriam corroboradas por um documento oficial do Serviço Privado de Informação argentina (Seprin) ao qual o El Pais disse ter tido acesso. Segundo tal documento, o conselheiro das FARC Javier Calderón (Jairo Alfonso Lesmes) estaria envolvido em atividades criminosas e teria total liberdade de ação na região gaúcha (sul) do continente. Segundo Guerreiro, Calderón teria ainda uma estrutura de apoio no Brasil.

O jornal menciona que houve uma reunião de narcotraficantes e terroristas na Argentina no Hotel Bauen, subsidiada pelo governo venezuelano com recursos da estatal PDVSA por intermédio de uma cooperativa. O jornal menciona também que a presença das FARC em território argentino teria aumentado depois da posse do Presidente Néstor Kirchner.

O jornal cita relatórios do Departamento de Estado Americano que afirmam que as máfias de criminosos brasileiros negociam com as FARC através de bases instaladas no Paraguai. A droga sairia da Colômbia em pequenos aviões que pousariam em pistas clandestinas no Paraguai. Daí a droga viria ao Brasil a fim de abastecer o mercado brasileiro e depois iria para os EUA, Europa, Japão e África. A rota seria controlada pelo narco-guerrilheiro conhecido como "Hermes" , supostamente envolvido no assassinato de Cecilia Cubas, filha do ex-Presidente Raúl Cubas. Hermes estaria vivendo no Brasil e teria contatos com criminosos brasileiros, assumindo o papel que antes era exercido pelo traficante brasileiro Fernandinho Beira-Mar, principal nexo da Frente 16 das FARC com traficantes brasileiros.

O jornal El Pais também cita outras fontes de informação que corrobariam a expansão das atividades das FARC:

  • de acordo com o jornal brasileiro Correio Braziliense é intenção das FARC expandir suas operações e tornar-se as Forças Armadas Revolucionárias das Américas através do treinamento de pessoal em outros países da América do Sul.
  • a CIA já teria advertido sobre elos entre as FARC e grupos islâmicos terroristas, principalmente na região da Tríplice Fronteira: Brasil, Paraguai e Argentina.
  • autoridades argentinas teriam dito que FARC estariam por trás do financiamento de movimentos grevistas e outras manifestações.

Fontes