Egito elege novo presidente

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

26 de maio de 2014

Egito

O Egito vai às urnas nestas segunda (26) e terça-feira (27), em uma eleição já praticamente definida. Abdel Fattah al-Sisi, ex-comandante do exército egípcio e responsável por destituir o então presidente Mohamed Morsi do poder em 2013, é o franco favorito. Sisi chegou ao centro do poder pelas mãos do próprio Morsi, que o nomeou comandante das Forças Armadas do Egito, mas, com o descontentamento da população e do próprio exército em relação às ações da Irmandade Muçulmana, partido de Morsi que liderou a revolução de 2011, o general se tornou o grande responsável pela destituição do presidente islamita e formação de um governo interino.

Na sua campanha eleitoral, ele disse que a economia não poderá se recuperar antes da “erradicação dos terroristas”, como se refere aos integrantes da Irmandade Muçulmana, e afirmou que serão necessários 25 anos para instaurar “uma verdadeira democracia”. Na eleição atual, existem apenas dois candidatos, incluindo o esquerdista Hamdin Sabahi, terceiro mais votado em 2012. Muitos duvidam das intenções democráticas de Sisi: "O Egito já voltou a um estágio de autoritarismo tão severo quanto o dos piores dias de Mubarak”, diz Nathan Brown, professor de ciência política e relações internacionais da Universidade George Washington e especialista em Egito, nos EUA.

De fato, a Irmandade Muçulmana foi banida, assim como seu braço político, o Partido Liberdade e Justiça. Os islamitas são cada vez mais perseguidos e foram criadas leis que limitam o direito a protestos. Cerca de 15 mil pessoas, entre integrantes do grupo e apoiadores, foram presas e mais de mil foram condenadas à morte por crimes cometidos durante o governo do presidente islamita. Segundo Brown, o presidente islamita “perdeu parte da elite política por ser insuficientemente consensual, boa parte do aparato do Estado resistiu a seu governo e realizou esforços para desacreditá-lo e derrubá-lo; e o principal, ele fez promessas extravagantes que não conseguiu cumprir – na verdade, a economia piorou durante seu mandato”.

Sisi tem o apoio de parte da classe média e é especialmente popular entre as classes mais baixas. Ele também tem o voto das mulheres. “A Irmandade Muçulmana queria que elas ficassem em casa, não tivessem papel ativo, e por isso não era popular entre as mulheres. O fato é que ele vai ter uma maioria confortável, mas é impossível dizer qual será a participação”, diz o egípcio especialista em ciência política Mustapha Kamel Al-Sayyid, professor da Universidade do Cairo.

Para Aurel Braun, professor visitante de relações internacionais e política na Universidade Harvard, o grande erro da Irmandade foi ter usado a democracia em favor de seus próprios objetivos, fazendo com que a população se sentisse traída, além de não reconhecer que foi retirada do poder por desejo popular. “Houve o senso de que Morsi via a democracia como uma plataforma para seus interesses. Criou-se uma política de exclusão e repressão no país, e não de inclusão, que era o objetivo da revolução. A Irmandade Muçulmana se tornou uma organização fascista disfarçada de religião.”

Para Fábio Metzger, professor e analista de relações internacionais que estudou a história recente da Turquia e do Egito em seu doutorado, há um forte risco de que o país possa voltar a ter um governo autocrático e centralizador como o de Mubarak. “Eu sinceramente acredito que isso possa acontecer, não tanto pelo Sisi, mas pela forma como a polícia egípcia age, pela forma como os aparelhos do estado se sustentam", explica. E ainda: "A polícia é um aparelho sobre o qual a população local tem uma visão muito negativa, por ter sido um aparelho do regime. Essa é a questão. O Sisi vai fazer uso desse aparelho ou não? Com a Irmandade Muçulmana banida, ela tende a se radicalizar. Temo que ele vá fazer uso, mas espero que não faça”.

O egípcio Al-Sayyid tenta ser mais otimista. “Espero que o Egito não volte a ficar sob a ação de um ditador. O general Sisi prometeu manter a democracia, a constituição e as leis. Por enquanto, temos que ouvir o que ele diz e esperar o que ele vai fazer. Como ele tem um grande apoio entre a população, não vejo razão para se tornar um ditador.”

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati