Ebola: OMS pede manutenção de esforços para barrar epidemia

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

19 de setembro de 2014

África

A Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu hoje (19) que sejam mantidos os esforços para conter a epidemia de ebola na África, após a morte de oito pessoas na Guiné-Conacri, que ensinavam a população a prevenir a doença. “Essas mortes devem ser investigadas, mas não devem impedir o diálogo com as comunidades. Devemos continuar a explicar-lhes o nosso trabalho e a demonstrar empatia pelas vítimas, suas famílias e a comunidade”, disse o médico Pierre Formenty, especialista da OMS para o ebola. “De outro modo, não será possível que nos escutem e não se poderá controlar o surto”, adiantou Formenty, que voltou a Genebra após um mês de trabalho na Libéria para deter a propagação do vírus.

O ataque contra a equipe de sensibilização – que incluía pessoal de saúde e jornalistas e cujos corpos foram encontrados nessa quinta-feira (18) – ocorreu em uma aldeia próxima da localidade de Nzerekore, no Sudeste da Guiné-Conacri, onde foi identificado pela primeira vez, em março, o atual surto de ebola. “As populações das zonas rurais sofrem muito e não confiam nos governos”, lembrou o especialista, adiantando que o incidente “mostra a complexidade” para conter a epidemia.

Os elementos da equipe foram “mortos friamente pelos aldeões de Womé”, disse o porta-voz do governo Albert Damantang Camara. O tenente Richard Haba, da Polícia Militar local, disse que os habitantes da aldeia “suspeitavam que os membros da equipe de sensibilização vinham matá-los, porque, segundo eles, o ebola é uma invenção dos brancos para matar os negros”. A febre hemorrágica já causou 2.630 mortos em 5.357 casos registrados na África Ocidental, segundo o último balanço da OMS. Na Guiné-Conacri, foram registradas 601 mortes em 942 casos.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati