EUA reduzem ainda mais tropas militares no Oriente Médio

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

16 de janeiro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

O Departamento de Defesa dos Estados Unidos informou hoje que reduziu sua presença de tropas no Afeganistão e no Iraque para apenas 2.500 soldados em cada país, um número nunca visto nos últimos 19 anos, mas que não permite ao presidente Donald Trump atingir seu objetivo de acabar com as tropas militares na região do Oriente Médio.

Em ambos os casos, Washington está empenhado em continuar a apoiar seus aliados em sua missão de acabar com a presença de grupos jihadistas em ambos os países, embora, no caso do Afeganistão, a intenção do Pentágono seja concluir a retirada total das tropas até maio de 2021.

“Com uma força de 2.500 [soldados], os comandantes têm o que precisam para manter o país, nosso povo e nossos interesses protegidos”, observou Milley. “Junto com nossos aliados da OTAN e nossos parceiros, os Estados Unidos continuarão a realizar nossa missão de contraterrorismo, bem como a de treinar, aconselhar e apoiar as Forças de Segurança Afegãs”.

Em fevereiro passado, o governo Trump assinou um acordo com o Talibã. O acordo incluiu uma retirada gradual — e finalmente completa — das tropas estadunidenses do país em troca de paz. Em novembro, a pasta de Defesa anunciou uma nova retirada de tropas, deixando 4.500 e 3.000 soldados no Afeganistão e no Iraque, respectivamente.

O Talibã, por sua vez, prometeu deixar de dar abrigo aos jihadistas do grupo Al Qaeda e acabar com a violência que assola as ruas do país, fruto de uma luta pelo poder entre as duas partes: o governo do presidente Ashraf Ghani e os insurgentes. No entanto, 2020 foi um dos anos mais violentos já registrados, levando o Pentágono a denunciar repetidamente o inimigo por não honrar sua parte no acordo.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit